Leia este artigo em:

Vigilância de vírus PRRS. Como monitorizar o progresso do controlo das explorações?

Após controlar a PRRS, como devem ser monitorizados os programas? E de quanto em quanto tempo devem ser sequenciados o/os vírus presentes na exploração?

Em artigos anteriores, revisamos as diferentes abordagens para controlar o vírus da PRRS e, mais especificamente, a importância e os diferentes passos para alcançar um bom programa de aclimatização do vírus PRRS em porcas. O objectivo deste programa de controlo, como já analisamos anteriormente, é sempre a interrupção do ciclo de transmissão do vírus nas porcas e a produção consecutiva de leitões livres de vírus PRRS ao desmame. Uma vez que essas estratégias estejam implementadas, como podemos monitorar nosso programa? Com que frequência devemos sequenciar os vírus presentes nas nossas explorações? Neste artigo, inquiriremos os nossos 4 veterinários de suínos da Alemanha, América do Norte, China e Espanha sobre como fazem a monitorização do progresso das estratégias para controlar o virus PRRS na suas regiões.

Qual a percentagem de produtores que têm em funcionamento um programa de vigilância do vírus PRRS? Quais os seus objectivos? Na China, Wang estima que uma grande percentagem de produtores possui um programa de vigilância de PRRS. Grandes produtores tomaram a decisão de possuir um laboratório seu para realizar a vigilância de PRRS, além de outros testes, rotineiramente. Por outro lado, os pequenos produtores geralmente procuram o apoio de empresas de gestão de saúde animal que lhes fornecem testes laboratoriais, gratuitamente, como parte de seu serviço técnico. Wang destaca o facto de que, embora a maioria dos agricultores monitorize seu estatuto de vírus PRRS de uma forma ou de outra, muitos resultados de testes fornecem aos produtores informações muito limitadas, pois eles são tipicamente baseados apenas em resultados de sorologia de anticorpos ou amostragem e metodologia incorrectas. Vidal, Pitkin e Böhne concordam com o facto de que a maioria dos produtores só realiza vigilância quando há sinais clínicos na exploração e isso geralmente ocorre após um surto. Os produtores não verificam se a exploração é estável ou instável de maneira rotineira. A decisão de mover ou não um lote específico de leitões, com base no seu estatuto PRRS, não pode ser alterada facilmente, explicou Vidal. Esta é uma decisão muito difícil que se complica pela logística do sistema e trabalho diário. Pitkin também diferencia entre efectivos comerciais e de multiplicação. Neste último, o objectivo é vender a criação e a vigilância é realizada intensivamente em 100% dos sítios. A vigilância, baseada na presença de anticorpos e vírus, é realizada constantemente para garantir o estatuto negativo desses efetivos reprodutores.

Foto 1. Uso de cordas para amostragem de fluidos orais.
Foto 1. Uso de cordas para amostragem de fluidos orais.

Todos os veterinários (excepto Vidal) estiveram de acordo sobre a técnica de amostragem e os tipos de animais para realizar esta vigilância: leitões a desmamar. Trinta amostras de soro ou equivalente em amostras de saliva ao desmame são os tipos de amostras mais comuns. Amostras de PCR em pools de 5 são a técnica mais solicitada, no caso do soro. Com a amostragem por corda, Pitkin comenta que o sequenciamento ainda é mais desafiador. Por outro lado, Vidal considera o soro de leitões dos locais 2 e 3, bem como as porcas abortadas, no seu teste de vigilância de rotina após um surto. No caso deles, e até que a exploração se torne estável novamente, os produtores executam as estratégias McRebel®, atrasam a entrada das porcas por até 5 meses (semi-encerramento da exploração) e usam porcas abortadas para estabilizar o efectivo junto com vacinação total do efectivo. Neste ponto, Pitkin diferencia novamente efectivos comerciais e de multiplicação: com finalidade muito diferente. Para efectivos de multiplicação ou reprodutores, o seu objectivo é verificar o estatuto da doença em porcos mais velhos, para então concentram a sua amostragem nos porcos que estão mais próximos do momento da venda e sempre antes da partida para um cliente.
Wang referiu o aumento do uso das amostras de fluidos de processamento em grandes explorações de porcas como parte da sua amostragem de vigilância (foto 1).

Foto 2. Exemplo de fluidos recolhidos na exploração. Foto cortesia de Dr. Juan Sanhueza e Dr. Carles Vilalta
Foto 2. Exemplo de fluidos recolhidos na exploração. Foto cortesia de Dr. Juan Sanhueza e Dr. Carles Vilalta

Uma vez que essas explorações recebam uma amostra positiva, o sequenciamento é sempre feito? Quais são os objectivos dos nossos profissionais para o sequenciamento? Para Vidal, o sequenciamento é realizado apenas para fins de investigação de surtos. Na América do Norte, Pitkin deu-nos mais detalhes e explica que os agricultores querem sempre diferenciar entre o vírus residente e uma nova introdução e os sistemas de produção têm, como parte da história do vírus PRRS, grandes colecções de sequências de vírus presentes nos seus locais. Pitkin explica que com até 2% de mudanças na sequenciação do ORF 5 do vírus endógeno da exploração, num tempo determinado, considera-se ainda o mesmo vírus, sempre que não tenham sido observados sinais clínicos. Por essa razão, tomaram conhecimento que a informação da sequenciação é muito útil para o vírus do PRRS, no entanto, esta não pode ser a única estratégia para avaliar as estirpes isoladas durante a vigilância. A informação da diversidade genética da sequenciação por si só não nos dá informação sobre questões fundamentais relacionadas com a virulência ou patogenicidade do vírus PRRS. Portanto, os porcos devem estar sempre vigiados e, como diz Pitkin “fazer o que eles te pedem”. É muito importante estar aberto a mudar de estratégia se for necessário apesar da informação da sequenciação.

ver mais artigos relacionados com o artigo

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags