Leia este artigo em:

FAO: Quem ganha e quem perde com a Peste Suína Africana

A chegada da PSA à China e a sua rápida expansão pelo país que tem a metade de todos os porcos do mundo, terá um notável impacto nos mercados mundiais da carne e das rações para animais.

2ª feira 13 Maio 2019 (há 11 dias)
gosto

Ainda que os efeitos concretos ainda estejam por determinar, esta doença animal poderá provocar uma queda de cerca de 20% no número de porcos da China. Esta forte diminuição é sustentada em dados indirectos que mostram uma grande redução da indústria de transformação de produtos de suíno a nível local, bem como na produção e venda de alimento para suínos.

As consequências globais desta situação prevêem-se complexas. Por um lado, estima-se que as importações de carne de porco cresçam até 26% e que também aumentarão as de outros tipos de carnes, como a de bovino ou a de aves. Mas por outro, a redução do número de cabeças de suínos na China deverá traduzir-se numa menor procura de cereais e sementes para alimentos compostos e, em particular, de soja. A China importa actualmente cerca de dois terços de toda a soja objecto de comércio internacional e cerca da metade dessa quantidade é destinada a alimentar os suínos chineses. As compras de soja já se tinha desacelerado devido às tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos e, agora, essa tendência reforça-se com a decisão do país asiático de reduzir as exigências de proteínas na alimentação dos suínos.

Ao mesmo tempo, é pouco provável que o consumo de carnes na China continue a crescer a um ritmo tão rápido como o que vinha a fazer no passado, até atingir os 95 quilos por pessoa e ano de carnes, ovos e peixe criados em aquacultura. Como se isto fosse pouco, a revisão realizada nos últimos censos agrícolas chineses revela que o país armazena mais de 180 milhões de toneladas de milho, o que se junta à grande oferta de grãos para rações e parece estar a reduzir a procura de importação de cevada e sorgo.

Ainda que grande parte do que suceda depende dos esforços para conter a expansão da PSA – que também foi confirmada recentemente no Vietname, um dos principais produtores de carnes de suíno e noutros países vizinhos – a tendência aponta para uma subida dos preços da carne de suíno e uma descida dos preços da ração. Esta “rara combinação de eventos” implica uma vantagem para o sector agrícola da Europa, que beneficiará dessa redução dos preços das rações, bem como para os suinicultores nos Estados Unidos, onde existe capacidade exportadora para aumentar o fornecimento destes produtos rapidamente.

Do mesmo modo, a crises da PSA representa um impulso para os avicultores, em especial para os principais exportadores como é o caso do Brasil. Espera-se que a produção de aves de capoeira na China cresça 7% este ano, reflectindo assim, tanto as consequências da PSA como o êxito do país na contenção de outra doença animal que se propaga com rapidez como é a Gripe Aviária Altamente Patogénica.

Quinta-Feira, 9 de Maio de 2019/ FAO.
http://www.fao.org

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags

Última hora

Um boletim periódico de notícias sobre o mundo suinícola

Não estás inscrito na lista

24-Mai-201917-Mai-201910-Mai-201903-Mai-2019

faz login e inscreve-te na lista

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui