Leia este artigo em:

PSA: as moscas podem transmitir o vírus aos porcos?

Mosca de estábulo (Stomoxys calcitrans)
Mosca de estábulo (Stomoxys calcitrans)

Enric Marco comenta as implicações práticas de um artigo recente que investiga a transmissão da PSA pela ingestão de moscas.

6ª feira 19 Outubro 2018 (há 3 meses 2 dias)
gosto

Artigo comentado
Olesen AS, Lohse L, Hansen MF, et al. Infection of pigs with African swine fever virus via ingestion of stable flies (Stomoxys calcitrans). Transbound Emerg Dis. 2018;00:1–6. https://doi.org/10.1111/tbed.12918
Leia o resumo do artigo

Comentário

Após os últimos casos diagnosticados de Peste Suína Africana (PSA) na Bélgica, talvez seja um bom momento para rever a biossegurança das explorações sendo, para isso, imprescindível conhecer as possíveis vias de contágio. Sempre se afirmou que a PSA é menos contagiosa que a Peste Suína Clássica. É uma doença que viaja grandes distâncias graças ao homem ou, nos casos mais recentes da Europa, graças aos javalis. O sangue e a carne contaminada são os principais veículos quando ingeridos por animais indemnes. Não obstante, em distâncias curtas, o contacto directo é o responsável pelas infecções.

O artigo é interessante já que coloca a possibilidade de as moscas poderem veicular o vírus no caso de serem ingeridas. Conseguem ser infectados porcos que ingeriram moscas que, por sua vez, tinham sido alimentadas com animais doentes. É certo que para conseguir a infecção é dado ao porco uma grande quantidade de moscas (20) e de moscas que geralmente não saem da exploração, pelo que poderiam ter um papel na difusão interna, mas não tanto na infecção das novas explorações. Não obstante, a possibilidade de que insectos de maior tamanho e que viagem mais se possam alimentar de javalis mortos nas proximidades de uma exploração e ser posteriormente ingeridos por porcos domésticos, coloca um novo desafio para a biossegurança. Ter as explorações cercadas e com os limítes limpos para evitar a chegada de outros animais selvagens é importante para uma boa biossegurança, bem como ter contentores de cadáveres em zonas pavimentadas e cercadas que possam ser desinfectados com facilidade, em boas condições de manutenção e tapados.

Resta referir que, após a necropsia é ainda mais importante eliminar restos e limpar e desinfectar a zona para assegurar que não fiquem restos de sangue. A falta de higiene nas necropsias é um dos elementos que permitirá a difusão.

As boas práticas em biossegurança devem ser implementadas sempre em momentos de tranquilidade para serem correctamente estabelecidas e funcionarem quando seja realmente necessário.

Resumo do artigo comentado
Olesen AS, Lohse L, Hansen MF, et al. Infection of pigs with African swine fever virus via ingestion of stable flies (Stomoxys calcitrans). Transbound Emerg Dis. 2018;00:1–6. https://doi.org/10.1111/tbed.12918

O que é que se estuda?
Este ensaio dinamarquês foi realizado de forma a encontrar novas rotas de transmissão do vírus da PSA que possam explicar o aparecimento da doença em explorações de alta biossegurança na Europa de Leste. Tentou-se reproduzir a transmissão por ingestão de moscas (Stomoxys calcitrans) infectadas.

Como se estuda?

Para isso foram utilizados 12 porcos SPF de 8-9 semanas de idade, divididos em 3 grupos de 4 animais e alojados em separado. O grupo 1 foi inoculado oralmente com sangue procedente de um porco infectado. O grupo 2 também foi inoculado oralmente, através da ingestão de um homogeneizado de moscas (Stomoxys calcitrans). A cada porco do grupo 3 foram dadas 20 moscas intactas.

Todas as moscas utilizadas eram selvagens (capturadas com uma rede) e tinham sido alimentadas com sangue contaminado com uma titulação de 5,8 5 log10 TCID50/ml, antes de congeladas. Foi verificada a ingestão por exame visual com microscópio estereoscópico do abdómen. Investigações prévias tinham demonstrado que era um método eficiente de infectar moscas. Foram recolhidas amostras de sangue de todos os porcos aos 0, 2, 4, 6, 8, 10, 12, 14 e 16 dias pós-inoculação, que foram analisadas por PCR quantitativa em tempo real e ELISA.

Quais são os resultados?
Foram distinguidos 2 tempos diferentes de infecção, com base nos sinais clínicos e detecção da virémia. Dentro de cada grupo, o atraso da infecção em alguns porcos indicou que apenas 25 % (grupo 1) e 50 % (grupos 2 e 3) foram infectados com a ingestão oral do vírus, enquanto que o resto dos porcos formam infectados, provavelmente, pelo contacto directo com os porcos infectados dos seus grupos. O resto dos porcos começou a mostrar sinais clínicos de infecção e tornaram-se virémicos, entre 5-8 dias mais tarde que os que foram infectados por ingestão oral do vírus.

Quais as conclusões que são extraídas deste trabalho?

Os resultados indicam que, além do papel de S. calcitrans como vector mecânico de PSAv através da ração (Mellor et al., 19897), a infecção também pode ser feita através da ingestão destas moscas. Os porcos serão infectados após a ingestão de 20 moscas alimentadas com sangue infectado. Pode parecer um número muito elevado para uma ingestão casual, mas é necessária uma dose relativamente elevada de PSAv para estabelecer a infecção por via oral (Howery et al., 2013). Provavelmente não seja um risco muito elevado para as transmissões a longa distância, mas esta rota poderá explicar as transmissões a curta distância, dentro das explorações.

Artigos relacionados

ver mais artigos relacionados com o artigo

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags