Leia este artigo em:

Qual é a melhor via de exposição para a adaptação de nulíparas a Mycoplasma hyopneumoniae?

As vias de inoculação intranasal e intratraqueal são discutidas, assim como a utilização de nebulizadores de aerossol.

O Mycoplasma hyopneumoniae (M hyo) causa uma infecção respiratória crónica que produz perdas económicas significativas devido ao menor rendimento de crescimento e maiores custos de tratamento.

O objectivo geral dos programas de controle de M hyo é minimizar a excreção por parte das porcas. Isso reduz o número de leitões positivos ao desmame, o que dá uma boa previsão da doença clínica em suínos de engorda.

Um aspecto desafiante para conseguir controlar a doença de M hyo é o processo de adaptação das nulíparas que entram nas explorações endemicamente infectadas com M hyo.

Como é que pode ser feita a adaptação das porcas na exploração?

Tradicionalmente, os profissionais tentaram expôr as nulíparas negativas a M hyo através do contacto directo com animais naturalmente infectados ou por inoculações intratraqueais de tecido pulmonar homogeneizado específico para a exploração, combinado com um programa adequado de vacinação e medicação. O problema com o que se faz actualmente é que se sabe que a transmissão de M hyo é extremamente baixa. De facto, um estudo realizado pelo grupo da Dra. Maria Pieter, na Universidade de Minnesota, mostrou que a proporção entre as porcas infectadas e nulíparas deveria ser de 1: 1, para garantir a infecção num período 4 semanas. Isto significa que para alcançar a adaptação efectiva da nulípara através do contacto porca a porca se requer uma quantidade considerável de tempo e uma grande proporção de porcas excretoras. Por outro lado, a inoculação intratraqueal, que é realizada principalmente em ambientes de investigação, requer pessoal qualificado e muito trabalho e é um procedimento stressante para os animais. Recentemente, os veterinários exploraram o uso de nebulizadores de aerossol para M hyo num espaço aéreo limitado para assegurar a exposição da nulípara através do contacto indirecto (Yeske, 2019). Além destes métodos, uma possibilidade menos explorada é a inoculação intranasal.

Tabela 1. Resumo das vantagens e desvantagens dos métodos de inoculação mais comuns.

Intratraqueal Intranasal Aerossol
Materiais Laço, espéculo bucal, laringoscópio, catéter. Aparelho para atomização de mucosa (figura 1). Nebulizador (figura 2).
Aplicação Individual por animal. Individual por animal. Em grupos por salas ou parques.
Custo Cerca de $0,20 a $4 por aparelho (artigo descartável). Cerca de $12 a $16 por aparelho (um aparelho pode inocular vários animais). Desde $300 a $500
(artigo não descartável).
Execução Prós:
Método conhecido e validado.
Gerar exposição consistente de porcas.
Prós:
Menos trabalho intenso que a exposição intratraqueal.
O dispositivo liga-se a qualquer seringa luer-lock, o que facilita a sua implementação na exploração.
Prós:
Não requer pessoal especializado.
O mesmo dispositivo pode ser reutilizado.
Requer o uso de equipamento de protecção para o pessoal.
Sem maneio de animais.
Pode expôr um grande grupo de porcas num curto tempo.
Contras:
É necessário pessoal formado e treinado.
Trabalho intenso relacionado com a imobilização de cada animal (laço e espéculo bucal).
Contras:
É necessário pessoal formado e treinado.
Contras:
Requer validação de procedimentos (ou seja, dose e tempo de nebulização).
Requer condições apropriadas na exploração (ou seja, instalações, ventilação, distribuição, tamanho).

Figura 1. Dispositivo atomização.
Figura 1. Dispositivo atomização.

Figura 2. Exposição intratraqueal.
Figura 2. Exposição intratraqueal.

Figura 3. Nebulizador.
Figura 3. Nebulizador.

Como é que os suinicultores podem ser ajudados a decidir qual o melhor método?

Devido às diferentes opções, um grupo de investigadores da Universidade Estatal de Iowa e profissionais de campo colaboraram num estudo recente para abordar essa questão. O objectivo foi comparar a eficácia de três métodos de inoculação (intratraqueal, intranasal e aerossol) de homogeneizado de pulmão vivo M hyo para uma adaptação prática, segura e reproduzível das nulíparas.

As fêmeas M hyo e PRRSV negativas, de seis semanas (n = 78) foram distribuídas ao acaso por quatro grupos de exposição a M hyo [aerossol (n = 24); intranasal (n = 24); intratraqueal (n = 24); ou sem exposição (n = 6)] e foram acompanhadas até aos 49 dias após a exposição (DPE). O inóculo de M hyo consistia em homogeneizado de pulmão (105 UFC/ ml M hyo 232). Para o grupo de aerossol, foi utilizado um nebulizador de névoa fria para nebulizar o homogeneizado de pulmão. Para o grupo intranasal, foi utilizado um dispositivo de atomização maleável para administrar metade do volume do inóculo em cada fossa nasal (5 ml) durante dois dias consecutivos. Este dispositivo é amplamente utilizado em medicina humana para a administração de medicamentos pediátricos por via nasal e traqueal em crianças. Foi registado o peso a -1, 28 e 49 DPE. As amostras de soro e traqueia para os testes de anticorpos e ADN foram recolhidas semanalmente durante os 49 dias. Os porcos foram abatidos de modo humanitário no dia 49 DPE. Os pulmões foram avaliados para lesões macroscópicas e por histopatologia (H&E e IHC). O aumento de peso, as respostas de anticorpos (ELISA S / P) e a excreção (qPCR) foram comparadas estatisticamente.

Resultados

Todas as vias de exposição causaram infecção. A exposição intratraqueal demonstrou detecção precoce de ADN (7 DPE) e seroconversão (39 DPE). A detecção de DNA na rota intranasal e aerossol e detecção de anticorpos foi ao mesmo tempo, ~ 14 DPE e ~ 49 DPE respectivamente. Os Cts do qPCR contra MHP foram semelhantes em DPE em todos os grupos expostos (p> 0,05), mas foi observado um menor valor de ELISA S / Ps em exposições intranasais e em aerossol. O grupo de aerossol teve o menor impacto no ganho diário (0,64 kg / dia), com um rendimento semelhante ao do grupo de controlo negativo (0,73 kg / dia). Aos 49 DPE, as lesões macroscópicas e / ou histopatológicas observadas nos pulmões foram de 17/22, 19/24 e 19/24 primalas nos grupos intratraqueal, intranasal e aerossol, respectivamente.

Conclusão

Embora a exposição intratraqueal envolvesse a detecção precoce de DNA e anticorpos, todos os caminhos eram capazes de gerar uma infecção. As vias intranasal e aerossol poderiam ser melhores alternativas à inoculação intratraqueal, porque esta última é mais trabalhosa e invasiva. No entanto, as circunstâncias específicas de produção de cada exploração podem afectar a escolha da via. Um método de exposição prático e eficaz na primeira vez melhorará os programas de controlo e eliminação do M hyo.

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags