Leia este artigo em:

UE: resistência aos antimicrobianos não desacelera

"O relatório faz soar novamente alarmes e mostra que estamos a entrar num mundo onde as infecções cada vez mais comuns se tornam difíceis (...) em alguns países que limitam o uso de antimicrobianos levaram a uma diminuição da resistência antimicrobiana ".

6ª feira 1 Março 2019 (há 4 meses 19 dias)
gosto

Dados publicados pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (CEPCD) e pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) revelam que os antimicrobianos utilizados para tratar doenças que podem ser transmitidas entre animais e seres humanos, como a campilobacteriose e salmonelose, estão a tornar-se menos eficazes.

Vytenis Andriukaitis, Comissário da UE para a Segurança Alimentar e Saúde, disse: "O relatório faz soar novamente alarmes e mostra que estamos a entrar num mundo onde as infecções cada vez mais comuns se tornam difíceis, ou mesmo às vezes impossível de tratar, no entanto, políticas nacionais ambiciosas em alguns países que limitam o uso de antimicrobianos levaram a uma diminuição da resistência antimicrobiana ".

De acordo com o relatório, que se refere aos dados de 2017, a resistência às fluoroquinolonas (como a ciprofloxacina) é tão alta nas bactérias Campylobacter em alguns países que esses antimicrobianos já não funcionam para o tratamento de casos graves de campilobacteriose.

A maioria dos países relatou que a salmonela em humanos é cada vez mais resistente às fluoroquinolonas. A resistência a múltiplas drogas (resistência a três ou mais antimicrobianos) é alta em Salmonella em humanos (28,3%) e animais, particularmente S. Typhimurium.

Para Campylobacter, foram encontradas proporções de alta a extremamente alta de bactérias resistentes a ciprofloxacina e tetraciclinas. No entanto, a resistência combinada a antimicrobianos criticamente importantes foi baixa a muito baixa em Salmonella e Campylobacter em humanos e animais e no indicador de E. coli em animais.

"Agora é a hora de mudar o curso da resistência antimicrobiana, se queremos que os antibióticos funcionem", disse Mike Catchpole, cientista-chefe do ECDC. "É especialmente preocupante quando se trata de resistência combinada: mesmo baixas proporções significam que muitos milhares de pacientes em toda a UE têm opções de tratamento limitadas para infecções graves."

Marta Hugas, Directora Científica da EFSA, disse: "Vimos que quando os Estados Membros implementaram políticas rigorosas, a resistência antimicrobiana diminuiu em animais. Os relatórios anuais das agências europeias e nacionais incluem exemplos notáveis. Isso deve ser uma inspiração para outros países ".

Explore os dados: Resistência antimicrobiana na Europa

Quarta-feira, 27 de Fevereiro de 2019/ EFSA/ União Europeia.
http://www.efsa.europa.eu

ver mais artigos relacionados com o artigo

Notícias

Notícias da Sanidade

Itália indemne da Doença Vesicular Suína04-Mar-2019 há 4 meses 16 dias
PSA erradicada na República Checa28-Fev-2019 há 4 meses 22 dias

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags

Última hora

Um boletim periódico de notícias sobre o mundo suinícola

Não estás inscrito na lista

19-Jul-201912-Jul-201905-Jul-201928-Jun-2019

faz login e inscreve-te na lista

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui