Leia este artigo em:

Saúde intestinal: Estimular a digestão

O presente artigo revê estratégias nutricionais para conseguir uma digestão e absorção de nutrientes mais eficiente que, por sua vez, favoreça a saúde intestinal.

4ª feira 5 Junho 2019 (há 2 meses 19 dias)
1 gosto

Hoje em dia, dois terços do custo de produção de uma carcaça podem atribuir-se à alimentação do porco (Pipestone, 2014), portanto, um dos principais parâmetros onde mais podemos incidir para aumentar a produtividade da suinicultura é a digestão e absorção de nutrientes. Pela sua vez, outro benefício não menos importante que a estimulação digestiva é a melhoria da saúde intestinal, que nos pode fornecer melhorias significativas da qualidade da carcaça, menor contaminação ambiental, redução dos sintomas devidos à má absorção intestinal e à supressão de bactérias putrefactivas que geram compostos tóxicos no intestino.

Há uma multitude de estratégias nutricionais que podem servir para melhorar o processo de digestão e/ou absorção de nutrientes. De seguida, iremos comentar algumas das mais utilizadas no sector.

Uma estratégia amplamente utilizada em primeiras idades é a de utilizar ingredientes palatáveis e de elevado valor biológico, por exemplo fornecer proteínas através de hidrolizados de mucosa, plasma suíno ou lactosoros. Estes ingredientes demonstraram a sua capacidade de aumentar os resultados a nível produtivo e de incrementar o valor da dieta através de outras funções como sejam a sua capacidade antimicrobiana ou de imunoestimulação. Não obstante, hoje em dia praticamente só são utilizados nas etapas iniciais devido ao seu custo económico elevado. Alternativamente, os produtos processados de soja, como os concentrados proteicos hidrolizados, também são uma forma de melhorar a digestão, devido ao seu alto conteúdo em proteína e elevada digestibilidade devido ao seu reduzido nível de factores anti-nutritivos (figura 1).

Figura 1. Perfil de digestibilidade dos aminoácidos nos concentrados de soja (digestibilidade ileal standardizada). NRC 2012
Figura 1. Perfil de digestibilidade dos aminoácidos nos concentrados de soja (digestibilidade ileal standardizada). NRC 2012

A redução dos níveis de proteína na ração a dar após o desmame (<180 g/kg) pode ser uma forma de facilitar a sua digestão e evitar a presença de proteína não digerida na digesta, que promove bactérias que as fermentam, facilitar a produção de compostos potencialmente tóxicos e, em definitivo, evitar as diarreias pós-desmame. Contudo, para realizar esta acção sem afectar os rendimentos produtivos é necessário suplementar a ração com aminoácidos essenciais sintéticos, seguindo o perfil de proteína ideal. Para facilitar a digestão de proteína nas etapas iniciais, também podemos considerar a inclusão de acidificantes (figura 2) ou de dietas com uma baixa capacidade tampão, proporcionando uma acidez suficiente para uma digestão eficiente no estômago (Pérez, 2013).

Figura 2: A acidifica&ccedil;&atilde;o da digesta tamb&eacute;m &eacute; uma boa estrat&eacute;gia para melhorar a digest&atilde;o, sobretudo em leit&otilde;es p&oacute;s-desmame porque a sua capacidade end&oacute;gena &eacute; muito limitada. Mediante a incorpora&ccedil;&atilde;o de um acidificante na dieta, evita-se uma diminui&ccedil;&atilde;o da digest&atilde;o proteica e que afecte a imunidade e os par&acirc;metros produtivos.
Figura 2: A acidificação da digesta também é uma boa estratégia para melhorar a digestão, sobretudo em leitões pós-desmame porque a sua capacidade endógena é muito limitada. Mediante a incorporação de um acidificante na dieta, evita-se uma diminuição da digestão proteica e que afecte a imunidade e os parâmetros produtivos.

Outra forma de melhorar a utilização da dieta é a adição de enzimas exógenas (tabela 1). Actualmente existem várias enzimas no mercado, como as fitases, as xilanases, as β-glucanases e proteínases. O seu uso há bastante tempo que é amplamente alargado na avicultura, mas hoje em dia também há uma tendência crescente na sua utilização no sector suinícola, para aumentar a capacidade digestiva do porco. São-lhes atribuídos vários benefícios no processo de digestão, principalmente a degradação das ligações específicas dos ingredientes que não são correctamente hidrolizados por enzimas endógenas e a degradação de factores anti-nutritivos (Bedford, 1999). Neste sentido, a sua popularidade vai crescendo porque abrem a porta à diminuição do custo da dieta, permitindo a incorporação de ingredientes mais económicos ou a incorporação de níveis de inclusão mais altos de determinados ingredientes que o porco não poderia digerir por si só.

Tabela 1. Tipos de enzimas, substracto e matérias-primas onde actuam. Adaptado de Ravindran, 2010

Enzima Substracto Matéria-prima
β-glucanases β-glucanos Cevada, aveia e centeio
Xilanases Arabinoxilanos Trigo, centeio, cevada, fibra vegetal
α-galactosidases Oligossacáridos Farinha de soja e leguminosas grão
Fitases Ácido fítico Todos os alimentos de origem vegetal
Proteases Proteínas Todas as fontes de proteína vegetal
Amilases Amido Grãos de cereais e leguminosas grão
Lipases Lípidos Lípidos alimentos e suplementos lipídicos
Manoses, celulases, hemicelulases, pectinases Parede celular (fibra) Matérias-primas vegetais

Outra estratégia para melhorar a biodisponibilidade dos nutrientes é aproveitar a acção de determinados microorganismos, seja na mesma dieta (dietas fermentadas, figura 3), incorporando-os directamente no tracto gastrointestinal do animal (probióticos), ou estimulando o seu crescimento de forma específica (prebióticos). Por um lado, é bem sabido que a hidrólise da dieta através das enzimas bacterianas (fitases, lipases, amilases ou proteases) pode favorecer a sua absorção (Gomes e Malcata, 1999). Por outro lado, também foi descrito que a população bacteriana do intestino pode sintetizar nutrientes de novo, como o aminoácido essencial lisina (Torrallardona et al., 2003) ou vitaminas (Arunachalam, 1999) graças à fermentação bacteriana de hidratos de carbono. Também é interessante mencionar que determinados microorganismos benéficos podem actuar indirectamente sobra a função digestiva ou sobre a arquitectura intestinal do animal, por exemplo estimulando a secreção de péptidos hormonais, provocando hiperplasia do epitélio intestinal, estimulando a fermentação ou acidificando o ambiente.

Figura 3: Tamb&eacute;m pode ser interessante fomentar a fermenta&ccedil;&atilde;o atrav&eacute;s da utiliza&ccedil;&atilde;o de dietas pr&eacute;-fermentadas ou probi&oacute;ticos. S&atilde;o-lhes atribu&iacute;dos muitos benef&iacute;cios como o aumento da microbiota favor&aacute;vel (melhoria do r&aacute;cio lactobacilus:enterobact&eacute;rias), melhorias digestivas e finalmente melhorias no rendimento produtivo do animal.
Figura 3: Também pode ser interessante fomentar a fermentação através da utilização de dietas pré-fermentadas ou probióticos. São-lhes atribuídos muitos benefícios como o aumento da microbiota favorável (melhoria do rácio lactobacilus:enterobactérias), melhorias digestivas e finalmente melhorias no rendimento produtivo do animal.

As estratégias revistas neste capítulo para estimular a digestão, são vitais em leitões ao desmame, por serem imaturos, terem baixa capacidade para produzir HCl no estômago e limitada produção de enzimas. Não obstante, também podem ser interessantes em porcos da engorda com um sistema digestivo mais desenvolvido, sobretudo quando se utilizam dietas com uma alta densidade energética (Meng et al., 2010 e Zang et al., 2015) ou alimentos com escasso valor nutricional (Bedford, 2015). Nestas ocasões, será importante avaliar a relação custo-benefício de implementar estratégias nutricionais que permitam ao porco digerir eficientemente dietas que não estariam a seu alcance através dos seus próprios recursos.

ver mais artigos relacionados com o artigo

Artigos

Milho12-Jun-2019 há 2 meses 12 dias

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags