Leia este artigo em:

Saúde intestinal: reduzir bactérias patogénicas

Algumas estratégias nutricionais podem ter uma actividade anti-bacteriana, queres saber quais?

6ª feira 5 Abril 2019 (há 6 meses 14 dias)
gosto

A redução da carga de bactérias patogénicas é um objectivo que, para ser eficaz, se deve abordar mediante diferentes estratégias, como o uso de fármacos em determinadas ocasiões, uma limpeza e maneio adequado, e uma nutrição destinada a reduzir a sua presença e fortalecer a saúde intestinal.

Tabela 1. Ferramentas nutricionais para reduzir a carga de patógenos.

Redução níveis proteínas Prebióticos Dietas fermentadas
Facilitar trânsito digesta Ácidos inorgânicos e orgânicos Proteínas e péptidos bioactivos
Fibra fermentável Fitogénicos Dietas com baixa capacidade tampão
Probióticos Simbióticos Oligoelementos

Uma boa estratégia nutricional pode ser reduzir a fermentação proteica, já que a presença de proteína não digerida na digesta promove o crescimento de bactérias que a fermentam (como a E.coli sp., Proteus sp. e Clostridia sp.) e com isso aumentam a concentração, no cólon, de compostos potencialmente tóxicos para a mucosa intestinal como o NH3, as aminas biógenas (histamina) e o sulfeto de hidrogénio. Para atingir este objectivo, sobretudo nas rações pós-desmame (devido à baixa capacidade de digestão dos animais nesta idade), podemos reduzir os níveis de proteína para facilitar a sua digestão e evitar a presença de proteína não digerida na digesta (suplementando se for necessário com aminoácidos sintéticos), ou fornecer hidratos de carbono fermentáveis (como a sémea de trigo ou a polpa de baterraba) para reduzir a concentração na digesta de metabolitos derivados da fermentação proteica e aumentar a relação lactobacillus:enterobactérias (Pérez, 2013).

Outra estratégia seria facilitar o trânsito da digesta e a estabilização da microbiota intestinal através da administração de fibra insolúvel (Molist et al., 2012), como as cascas de cereais ou a incorporação de enzimas exógenas que diminuam a viscosidade da dieta, já que se considera que contribui para a presença de patógenos (Kiarie et al., 2013).

Ao nível dos aditivos, destacam-se os probióticos, que podem diminuir a presença de agentes patogénicos de forma directa através da exclusão competitiva (competem com o agente patogénico para se unirem no mesmo receptor do epitélio intestinal), agregando-se a agentes patogénicos através de receptores análogos aos do epitélio intestinal (impedindo a sua união ao epitélio) ou a produção de bacteriocinas com efeito antimicrobiano (Nig et al.2009). Por sua vez, também foram descritos mecanismos indirectos como o aumento da produção de ácidos orgânicos no intestino através da fermentação de hidratos de carbono da dieta, do aumento de uma microbiota favorável ou da potenciação da resposta imunitária do porco (Oelschlaeger et al. 2010). Ainda assim, uma recente revisão do uso de probióticos em infecções experimentais com leitões pós-desmame, aponta que os seus efeitos são altamente influenciados pela estirpe e pelo contexto em que se utilizam (Barba–Vidal et al., 2018). Portanto, o uso destes aditivos tem que se planificar cuidadosamente para cada situação em concreto.

A determinados prebióticos atribui-se-lhes a propriedade de se aglutinarem a agentes patogénicos, de impedir a sua adesão no epitélio intestinal e de fomentar a sua eliminação (Spring et al., 2000). Por sua vez, podem contribuir para aumentar selectivamente a microbiota benéfica que exerce exclusão competitiva. Idealmente espera-se que uma estratégia prebiótica aumente as bactérias benéficas, como as bifidobactérias e os lactobacilos, diminuindo o número das putrefactivas e patogénicas (como a Clostridia sp. e a E.coli sp.).

Por outro lado, diversos autores descreveram as actividades biológicas dos péptidos bioactivos. O glicomacropéptido, foi capaz de inibir a adesão da ETEC K88 na mucosa intestinal de animais desafiados (Hermes et al., 2013). Por outro lado, os anticorpos provenientes de galinhas poedeiras que foram sido vacinadas contra microrganismos patogénicos específicos, demonstraram ser úteis na prevenção de infecções por E.coli sp. em leitões ao desmame (Rizvi et al., 2001).

Também são largamente reconhecidas as propriedades anti-microbianas e anti-oxidantes dos produtos fitogénicos. Os extractos de planta como a berberina, um alcalóide presente em determinadas raízes, demonstrou ter um efeito bactericida e bacteriostático contra a E.coli sp., com efeitos equiparáveis à colistina (Tummaruk et al., 2009). Por outro lado, também se atribui efeito antimicrobiano aos óleos essenciais pelo seu conteúdo em princípios activos como o carvacrol ou o timol, que têm a capacidade de danificar as membranas celulares e afectar a homeostase de bactérias pelo efeito dos electrões deslocalizados e pela presença de um grupo hidróxilo no anel fenólico (Bassole e Juliani 2012). Este mecanismo apresenta uma boa sinergia com os ácidos orgânicos (Helvoirt e Dijk, 2009). Não obstante, o problema destes compostos é que se absorvem quase por completo nas primeiras partes do sistema digestivo (Michiels et al., 2008), pelo que é necessário protegê-los através de micro-encapsulação para que possam exercer o seu efeito antimicrobiano no intestino.

A utilidade antimicrobiana dos ácidos (orgânicos, de cadeia curta ou média, e inorgânicos) está ligada à capacidade acidificante, que impede a sobrevivência de certas bactérias patogénicas (Partanen e Mroz, 1999). Por sua vez, a forma não dissociada dos ácidos gordos de cadeia curta ou voláteis tem a capacidade de penetração dentro das bactérias patogénicas e, uma vez dentro, dissociar-se provocando um desequilibrio celular e a lise bacteriana (Galfi e Bokori, 1990).

Para terminar, também se atribui capacidade antimicrobiana ao zinco em doses elevadas, com um amplo leque de aplicações não só na alimentação animal mas também noutras aplicações biológicas como a higiene e a desinfecção de superfícies ou a cosmética. Já se sabe que a incorporação de óxido de zinco em doses terapêuticas (>2500 ppm) já não é aceitável devido à problemática ambiental que implica. Não obstante, actualmente o mercado dispõe de produtos comerciais muito mais eficientes, como o ZnO microencapsulado que, com uma adição de 100 ppm, demonstrou uma eficácia similar à do ZnO convencional em doses de 3000 ppm contra a ETEC (Kim et al., 2010). Estes produtos estão a ganhar muita popularidade nol sector já que permitem um efeito similar ao do ZnO, ao que os produtores estavam acostumados, mas eliminam o problema ambiental.

ver mais artigos relacionados com o artigo

Artigos

Xilanases22-Abr-2019 há 5 meses 27 dias

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags