Leia este artigo em:

Apresentação clínica da Peste Suína Africana no campo

Como ocorre esta doença no campo em surtos recentes? Nem sempre segue a descrição dos livros didáticos ... Os profissionais do sector respondem a esta e muitas outras perguntas.

Os surtos clínicos da Peste Suína Africana nem sempre seguem a descrição dos livros didáticos, que afirmam que a "apresentação clínica" mais importante da PSA em porcos é a morte súbita. Na realidade, o vírus é menos infeccioso do que muitos outros com os quais é habitual lidar nas explorações e, como resultado, o tempo que leva para a doença para se espalhar dentro de uma exploração pode variar entre dias e semanas. Na exploração, essa variabilidade às vezes confunde e pode atrasar seu diagnóstico preciso no campo. Os principais sinais clínicos associados às diferentes formas de PSA estão resumidos na Tabela 1. Como se pode observar, os sinais clínicos para cada forma são muito variáveis. Os fatores que determinam a apresentação da doença incluem a virulência do vírus, a rota de exposição, a dose infecciosa, a presença de outros agentes patogénicos ou o nível endémico da área. Mas, como se manifesta o curso desta doença no campo mais recentemente? Como se apresentam os surtos? Quais os sinais clínicos mais comuns? Estas e muitas outras perguntas foram feitas aos nossos profissionais suínos com experiência em primeira mão na Rússia, nos países bálticos, na Polónia e na China para aprender com suas experiências no campo.

Tabela 1. Principais sinais clínicos e descobertas post mortem observados nas diferentes formas de PSA (Sanchez-Vizcaino et al., 2015)

Hiperaguda Aguda Subaguda Crónica
Febre Alta Alta Moderada Irregular ou inexistente
Trombocitopenia Ausente Ausente ou leve (tardia) Transitória Ausente
Pele Eritema Eritema Eritema Áreas necróticas
Linfonodos - Gastro-hepático e renal com aspecto marmóreo A maioria dos linfonodos assemelha-se a um coágulo sanguíneo Inflamados
Baço - Esplenomegalia hiperémica Esplenomegalia parcial hiperémica ou enfarte focal Aumentado de tamanho com coloração normal
Rim - Hemorragias petequiais, principalmente no córtex renal Hemorragias petequiais no córtex renal, médula e pélvis; edema peri-renal -
Pulmão - Edema alveolar severo - Pleurite e pneumonia
Vesícula biliar - Hemorragias petequiais Edema na parede -
Coração - Hemorragias no epicárdio e endocárdio Hemorragias no epicárdio e endocárdio; hidropericárdio Pericardite fibrinosa
Amígdalas - - - Focos necróticos
Alterações reprodutivas - - Abortos Abortos

Dos quatro especialistas, 3 viram surtos de PSA no campo, enquanto o quarto especialista trabalha num laboratório de PSA. O Dr. Kolbasov, o actual director do centro de referência russo para pesquisa e diagnóstico de PSA recebe amostras positivas de todos os novos casos das novas regiões afectadas na Rússia. A nível do laboratório, a sua função é sequenciar todas as novas estirpes e realizar bio-ensaios. Ele confirmou que todas as amostras que recebeu resultaram nos sinais clínicos clássicos de formas hiperagudas / agudas. Na sua opinião, os surtos de PSA na produção comercial de porcos na Rússia foram identificados por veterinários em produção que reconhecem as diferentes formas. No entanto, expressa a sua preocupação com as explorações caseiras, uma vez que o pequeno tamanho dessas populações dificulta a identificação do surto inicial da exploração. Como resultado, o “caso inicial (index case)” de uma nova região pode passar despercebido facilmente. Se, numa exploração caseira, houver apenas 2 porcos e um morrer repentinamente, é improvável que amostras de diagnóstico sejam recolhidas, faltando informações desse surto, estando preocupado com esse cenário, porque um relatório tardio do caso inicial colocaria toda a área num risco tremendo.

O Dr. Karbowiak diagnosticou o seu primeiro surto de PSA numa exploração de 700 porcos no final do Inverno de 2018 na Polónia. O produtor ligou-lhe porque num dos 2 parques que continha trezentos e cinquenta porcos de 80 kg, num leito de palha profunda, os animais estavam apáticos e apresentavam alguns sinais de febre alta. Dois porcos foram encontrados mortos na noite anterior e mais dois morreram naquela manhã. O produtor mencionou que, 10 dias antes do surto, ele entrou nesse parque com um veículo para mudar a cama. O diagnóstico diferencial do Dr. Karbowiak incluiu erisipela aguda, pleuropneumonia aguda causada por Actinobacillus ou um surto agudo devido ao vírus da gripe suína tipo A. No entanto, após realizar as necropsias e observar o baço aumentado e as hemorragias petequiais nos rins dos animais afectados, decidiu chamar os veterinários oficiais para descartar um possível surto de PSA (Imagem 1).

Figura 1: Lesões graves encontradas num surto de PSA na Polónia, incluindo aumento grave do tecido esplénico (esplenomegalia) e rins congestivos com hemorragias petéquias múltiplas e focais. Cortesia do Dr. Pawel Karbowiak
Figura 1: Lesões graves encontradas num surto de PSA na Polónia, incluindo aumento grave do tecido esplénico (esplenomegalia) e rins congestivos com hemorragias petéquias múltiplas e focais. Cortesia do Dr. Pawel Karbowiak

Mr. Corns já viu surtos de PSA na China e na Rússia. Corns faz alusão à apresentação do Dr. Gustavo López que, no ano anterior na A.D. Leman Swine Conference, referiu as suas experiências russas com PSA. Os sintomas começaram numa engorda comercial e depois foram para a unidade de criação (GDU). Os animais tinham diarreia leve com sangue, um aumento da temperatura e perda de apetite. Não responderam à terapia com antibióticos e desde os dias 10 a 14 após o início do surto, os porcos recém afectados começaram a mostrar lesões hemorrágicas nas pontas das orelhas (ou seja, orelhas azuis). As descobertas post mortem incluíam baço aumentado e gânglios linfáticos hemorrágicos. Esses achados, juntamente com a falta de resposta ao tratamento com antibióticos, foram os desencadeadores da investigação e diagnóstico de PSA.

Dr. Cepulis, é um consultor veterinário com experiência em suínos, com sede na Lituânia, e trabalhando em toda a região do Báltico. Ele acompanhou de perto o maior surto na Lituânia durante o Verão de 2017. A exploração de 3000 porcas de ciclo fechado relatou um aumento na mortalidade na engorda com morte súbita. No momento em que mortes súbitas começaram a ocorrer nas porcas foi quando decidiram enviar amostras para o laboratório e foi confirmada a PSA. Durante a sua entrevista, partilhou uma piada afirmando que, segundo a sua experiência, os agentes patogénicos que podem matar as porcas costumam ter apenas 3 letras: App, CSF e, mais recentemente, a PSA! Mas fica sério quando afirma que, nos países do Báltico, os cenários de surtos tendem a mostrar poucos sinais clínicos específicos, apenas a presença de mortes e febre repentinas.

Mas, quão rápido costuma propagar-se a doença dentro de uma exploração? Os nossos profissionais observaram que a doença costuma mover-se, nas explorações comerciais, a diferentes velocidades. O Sr. Corns esteve de acordo com o Dr. López em classificar o surto russo como sub-agudo. Nesse caso, a doença moveu-se relativamente devagar pela exploração. Causou 3% de mortalidade no dia 3 e no dia 10 a mortalidade excedia 7%. Na China, teve uma experiência diferente, na qual os surtos parecem ser, por norma, mais agudos e a mortalidade aumenta mais rapidamente. O Dr. Cepulis também classificou o surto como sub-agudo. De acordo com sua experiência, a infecção espalha-se lentamente, o aumento da mortalidade não é dramático e, portanto, não é fácil reconhecer os sinais clínicos da PSA numa exploração grande, especialmente se não for realizado um exame post mortem. Recomenda o envio de amostras logo que se deparem com sintomas hemorrágicos. O Dr. Karbowiak classificou o surto que experienciou no campo como agudo. O Dr. Karbowiak recorda bem a quantidade de horas que esteve na exploração e como a mortalidade aumentava por hora. Quando ali chegou havia 2 porcos mortos da noite anterior, uma hora depois de chamar os veterinários oficiais eles chegaram e, durante as 5 horas que esteve na exploração com eles, um total de 5 animais adicionais morreram, a uma média de 1 porco por hora. Não esquecerá com facilidade esse número (Video 1). Os veterinários oficiais comunicaram-lhe as suas suspeitas de que a palha agiu como fómite mais provável da transmissão. Consideraram que o alto número de amostras positivas por PCR era indicativo de que o grupo foi exposto simultaneamente, o que seria consistente com a exposição a palha contaminada. Alguns animais já apresentavam títulos baixos de ELISA.

Video 1: Sinais clínicos observados num surto de PSA na Polónia. Cortesia do Dr. Pawel Karbowiak

Figura 2. Palha contaminada foi considerado o fómite mais provável de transmissão de PSA em um dos surtos numa exploração da Polónia.
Figura 2. Palha contaminada foi considerado o fómite mais provável de transmissão de PSA em um dos surtos numa exploração da Polónia.

O Dr. Cepulis, falou-nos sobre os diferentes cenários epidemiológicos que estão a ocorrer na população de javalis e como o ciclo selvagem da doença parece estar a mudar, bem como a maneira como a doença está a ocorrer em porcos selvagens. Pesquisas recentes sobre javalis vivos presentes em florestas demonstraram a presença de níveis de anticorpos contra o vírus PSA, o que preocupa porque a doença parece estar a mudar para uma forma mais sub-aguda ou crónica nessa população. Após sobreviverem à doença, esses animais agirão como transportadores e disseminadores. Esse facto é o mais importante para o controlo e possíveis estratégias de erradicação que poderiam ser implementadas em países europeus com altas populações de javalis.

No próximo artigo, relataremos como os profissionais entrevistados descreveram a resposta veterinária oficial, bem como os aspectos mais importantes de biossegurança que eles implementam nas explorações dos seus clientes.

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags