Leia este artigo em:

Aplicações práticas dos probióticos na produção suína

Este artigo descreve brevemente as principais aplicações para as quais os probióticos foram avaliados nas diferentes fases da produção de suínos.

2ª feira 3 Junho 2019 (há 3 meses 16 dias)
gosto

Os probióticos são utilizados em todas as fases da produção de porcos: reprodução, transição e engorda. Em geral, seu o uso visa estabelecer uma microbiota saudável, melhorar a saúde, o bem-estar e a produtividade dos animais (Cho et al., 2011). No entanto, se formos mais específicos, a aplicação prática (ou o resultado) do uso de probióticos pode ser diferente em cada contexto (ver tabela 1). Este artigo descreve brevemente as principais aplicações para as quais foram avaliadas nas diferentes fases da produção de suínos.

Tabela 1. Principais aplicações dos probióticos na indústria suína. Adaptado de Barba-Vidal et al. "Practical aspects of the use of probiotics in pig production: A review". Livestock Science 223 (2019) 84–96.

Reprodutoras
  • Redução dos sinais clínicos de patologias uterinas / mamárias
  • Aumento do consumo de ração durante as últimas fases da gestação ou na lactação
  • Melhoria da condição corporal no final da lactação
  • Redução do intervalo desmame–cio devido à mobilização da energia
  • Melhoria da qualidade do colostro e da qualidade e quantidade de leite
  • Redução de agentes patogénicos intestinais nas porcas e/ou leitões
  • Modulação da imunidade da ninhada
  • Melhora do tamanho da ninhada
  • Melhoria na taxa de crescimento dos leitões
  • Redução de sinais clínicos de diarreia nos leitões
  • Transferência de probióticos para leitões
  • Modulação da resposta ao stress
Baterias
  • Modulação da microbiota intestinal do leitão
  • Protecção contra bactérias patogénicas, distúrbios gastrointestinais e diarreia
  • Melhoria da função da barreira intestinal
  • Modulação da imunidade
  • Melhoria da digestibilidade, taxa de crescimento e conversão alimentar
  • Melhoria dos parâmetros produtivos em leitões
  • Suplementação de nutrientes específicos
Porcos de engorda
  • Melhoria da qualidade da carne
  • Melhoria da digestibilidade
  • Redução da contaminação através da redução do NH3-N fecal
  • Redução das infecções patogénicas subclínicas ou zoonoses
  • Redução da mortalidade
  • Melhoria do ganho de peso
  • Melhoria da saúde intestinal

Porcas e leitões lactantes

A administração de tratamentos probióticos a porcas mostrou um duplo potencial, incluindo benefícios tanto para elas como para os seus leitões. A suplementação de probióticos a porcas pode aumentar o consumo de ração durante os estágios finais da gestação ou lactação, melhorando a condição corporal no final da lactação (Bohmer et al. 2006). Esta situação é desejável porque pode reduzir a necessidade de mobilizar energia durante a lactação. Por sua vez, isso poderá explicar a redução do intervalo de desmame-cio que também foi descrito nos probióticos. (Hayakawa et al. 2016). Também foram descritos benefícios relacionados ao rendimento reprodutivo em porcas. Por exemplo, um aumento no número de leitões (Apic et al. 2014) ou maiores taxas de crescimento com um peso mais elevado ao desmame (Alexopoulos et al. 2004). Além disso, também foi descrita uma redução dos agentes patogénicos intestinais (Kritas et al. 2015) e dos sinais clínicos das patologias uterinas e/ou mamárias (Apic et al. 2014) e menos sinais clínicos de diarreia em leitões (Taras et al. 2006). Finalmente, há um interesse científico crescente para avaliar a capacidade das porcas para transferir probióticos aos leitões nas suas primeiras fases de vida (Scharek-Tedin et al. 2015).

Leitões nas baterias

Até agora, a transição é o período em que os probióticos estão a receber mais interesse na produção de suínos, com o objectivo de melhorar o resultado do desmame (de Lange et al. 2010). Os leitões desmamados apresentam baixa resistência a doenças, o que os torna vulneráveis a reacções de stress e invasão por microrganismos patogénicos (Konstantinov et al., 2006). Isto pode ser um problema sério, já que esse período é considerado crítico em termos de produtividade, pois o rendimento na primeira semana após o desmame pode ser correlacionado com o rendimento até o peso do mercado (Kats et al., 1992).

Potencialmente, os probióticos podem ser benéficos nestes animais de várias maneiras. Por exemplo, foi descrito que a suplementação dos desmamados com probióticos pode prevenir ou melhorar a diarreia (Bhandari et al. 2008), restabelecer o equilíbrio microbiano após uma redução transitória das bactérias benéficas (Krause et al. 2010), proteger contra bactérias patogénicas (Casey et al. 2007), melhorar a função de barreira intestinal (Guerra-Ordaz et al. 2014) e estimular a imunidade (Lessard et al. 2009). Em muitos casos, foi descrito que os probióticos melhoraram os parâmetros produtivos dos leitões desmamados em consequência de uma, ou de uma combinação, dos motivos anteriores (Ahmed et al. 2014, Bhandari et al. 2010).

Porcos de engorda

O principal objectivo do uso de probióticos nessa fase seria a melhoria da produtividade. A literatura científica publicada até agora apoiaria a ideia de que, embora os porcos dessa idade tenham maior imunidade e capacidade de resistir aos problemas intestinais, ainda há espaço para que os probióticos actuem e potenciem o crescimento, especialmente nos estágios iniciais de engorda ou em dietas de alta densidade (Meng et al. 2010). Outros objectivos que podem ser perseguidos com o uso de probióticos nesta fase são a melhoria da qualidade da carne e das suas propriedades organolépticas, já que foi descrito que os probióticos afectam a cor, a infiltração de gordura e a firmeza da carne (Černauskienė et al., 2011) e reduzem as potenciais infecções zoonóticas como Salmonella spp. (Casey et al., 2007). Finalmente, outro campo interessante, mas pouco explorado, é a redução dos contaminantes ambientais do chorume. Foi descrito que vários probióticos são capazes de reduzir potencialmente contaminantes ambientais procedentes do chorume como o ácido sulfídrico (H2S, muito tóxico) ou o amoníaco (NH3), em especial em porcos alimentados com dietas com uma alta densidade de nutrientes (Yan and Kim, 2013). Os mecanismos directos destes efeitos são ainda desconhecidos, ainda que hajam provavelmente mecanismos indirectos implicados, como a melhoria da eficiência alimentar, de retenção de nutrientes e a modulação da microbiota intestinal.

Artigos

Saúde intestinal: Estimular a digestão05-Jun-2019 há 3 meses 14 dias
Trigo mole15-Mai-2019 há 4 meses 4 dias

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags