Leia este artigo em:

Sobrevivência do vírus da Peste Suína Africana em excreções de suínos

O presente estudo avaliou a eliminação e estabilidade do vírus da PSA nas fezes, urina e fluidos orais de suínos infectados com o vírus da PSA Georgia 2007/1.

4ª feira 26 Setembro 2018 (há 27 dias)
gosto

O vírus da Peste Suína Africana (PSA) provoca uma doença hemorrágica letal em suínos que pode ser transmitida através do contato directo com animais infectados e as suas excreções ou contacto indirecto com fômites contaminados. A eliminação do vírus por porcos infectados e a estabilidade deste no ambiente determinará a extensão da contaminação ambiental. Os recentes surtos de PSA na Europa tornam essencial o desenvolvimento de modelos de transmissão de doenças para desenhar estratégias de controlo eficientes e, assim, evitar uma maior disseminação da PSA.

O presente estudo avaliou a eliminação e estabilidade do vírus da PSA nas fezes, urina e fluidos orais de suínos infectados com o vírus da PSA Georgia 2007/1.

Os resultados mostraram uma vida média do vírus infeccioso PSA nas fezes entre 0,65 dias quando armazenado a 4 ° C a 0,29 dias quando armazenado a 37 ° C, enquanto que na urina variou entre 2,19 dias (4 ° C) a 0,41 dias (37 ° C). Com base nestas semi-vidas e nas doses estimadas necessárias para a infecção, estima-se que as fezes e a urina permaneçam infecciosas durante 8,48 e 15,33 dias a 4ºC e 3,71 e 2,88 dias a 37ºC, respectivamente. A vida média do DNA do vírus PSA foi de 8 a 9 dias nas fezes e de 2 a 3 dias no fluido oral em todas as temperaturas. Na urina, observou-se que a vida média do DNA foi de 32,54 dias a 4 ° C, diminuindo para 19,48 dias a 37 ° C.

Estes resultados indicam que a presença do vírus PSA nas excreções pode ser uma via importante de transmissão da doença.

K. Davies, L. C. Goatley, C. Guinat, C. L. Netherton, S. Gubbins, L. K. Dixon, A. L. Reis. Survival of African Swine Fever Virus in Excretions from Pigs Experimentally Infected with the Georgia 2007/1 Isolate. Transboundary and Emerging Diseases. Volume 64, Issue2. April 2017. Pages 425-431. https://doi.org/10.1111/tbed.12381

Artigos relacionados

ver mais artigos relacionados com o artigo

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags