Leia este artigo em:

Recuperação das exportações de carne de porco para a China?

As importações chinesas atingiram o seu ponto máximo a meados de 2016 e diminuíram em finais de 2017. Em Novembro de 2017, a tendência reverteu-se e espera-se que as importações se estabilizem em 2018.

6ª feira 13 Abril 2018 (há 8 meses 2 dias)
gosto

Após o nível record sem precedentes de 2016, as exportações de carne de porco da UE diminuíram para 2,6 milhões de toneladas em 2017, menos 9% em volume, mas apenas menos 2% em valor graças aos preços mais altos. Ainda assim, os envios foram 15% superiores ao nível de 2015. A descida foi impulsionada pela redução das exportações para a China (-34%), parcialmente compensada por aumentos significativos noutros destinos como os EUA (+ 31%) e as Filipinas (+ 21%). As exportações de miudezas da UE também se viram afectadas pela procura chinesa (-16%) que caiu para 1,3 milhões de toneladas (-6%). A dependência da UE das exportações de carne de porco para a China caiu para 28% em 2017, desde os 38% do ano anterior, o que mostra a grande flexibilidade das exportações de carne de porco da UE na busca de novos mercados. Contudo, a dependência da China manteve-se mais alta para as exportações de vísceras (53%). As vísceras representam 50% do volume de produtos de porco exportados para a China e 34% das exportações totais de carne de porco da UE (21% em valor).

Desde 2015, a China tem vindo a reestruturar o seu sector suinícola, encerrando ou relocalizando explorações devido às exigências da política ambiental, enquanto que ao mesmo tempo modernizou a sua indústria. Como resultado, as suas importações atingiram o seu ponto máximo em meados de 2016 e diminuíram em finais de 2017. Só em Novembro de 2017 a tendência se reverteu e espera-se que as importações se estabilizem em 2018.

A UE continua a ser o maior fornecedor da China, se bem que a quota passou de 75% em 2015 para 65% em 2017. Todos os principais exportadores de carne de porco da UE para a China reduziram os seus volumes em 2017: Espanha (-9%), Alemanha (-44%), Dinamarca (-44%) e os Países Baixos (-28%). Pelo contrário, tanto os EUA como o Canadá aumentaram as suas quotas para 14% em 2017 (de 13% e 8% respectivamente em 2016).

Evolución de las exportaciones de carne de cerdo y despojos de la UE hacia China
Evolución de las exportaciones de carne de cerdo y despojos de la UE hacia China

Em 2018, as exportações da UE vão estar sob pressão devido aos baixos preços e ao aumento esperado das produções nos seus principais competidores, EUA e Canadá, mas também o Brasil, particularmente se se mantém a proibição russa às importações provenientes do Brasil. Contudo, espera-se que as exportações da UE aumentem 2,5% em 2018 devido ao aumento da oferta.

Quinta-Feira, 5 de Abril de 2018/ DG for Agriculture and Rural Development/ União Europeia.
https://ec.europa.eu/agriculture

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags

Última hora

Um boletim periódico de notícias sobre o mundo suinícola

Não estás inscrito na lista

14-Dez-201807-Dez-201830-Nov-201823-Nov-2018

faz login e inscreve-te na lista

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui