Carlos Piñeiro

Carlos Piñeiro
165lhernandezpadrotsuruHubertserekmcrisolJordiysamat

Pigchamp Pro Europa. Espanha

Carlos Piñeiro é Licenciado em Veterinária pela Universidade Complutense de Madrid (1987), Especialista na Avaliação de Impacto Ambiental pela Universidade Politécnica de Madrid (1998), Diploma de Estudos Avançados em Produção Animal pela Universidade Politécnica de Madrid (2001) e Diplomado pelo European College of Porcine Health Management (2009).

Trabalhou na Sánchez Romero Carvajal como Rps de produtos nobles (1989) e desde 1991 na Proinserga S.A, inicialmente como veterinário de zona (umas 10.000 reprodutoras em 30 explorações) desenvolvendo diferentes responsabilidades nas áreas de nutrição e formulação, Gestão e Análise de dados e Centros de Inseminação Artificial antes de ser responsável pelo Dpto. de I+D criado em 1996 tendo-o desenvolvido até ao ano 2000.

Foi então que se criou a PigCHAMP Pro Europa como empresa vinculada ao grupo na que participou como sócio fundador.

A partir de 2007, PigCHAMP Pro Europa SL, converte-se numa empresa completamente independente, sendo Carlos o seu Director e principal accionista desde esse momento. As suas linhas de negócio actuais são a investigação por contrato para empresas, actuando como uma CRO (contract research organization), o desenvolvimento de projectos de I+D nacionais e internacionais (CDTI, EUREKA, IBEROEKA, EUROSTARS, LIFE+ e Programas marco UE), a consultoria na gestão de dados e uso da informação em empresas da área agroalimentar e os serviços veterinários de apoio à produção e à sanidad. [Twitter]

Curriculum actualizado: 24-Dez-2012

Artigos

Os efeitos estacionais (temperatura e luz): análise e minimização das suas consequências

08-Out-2012 (há 6 anos 3 meses 13 dias)

Está amplamente documentado que a produção suína apresenta variações estacionais, centradas fundamentalmente numa descida na eficiência reprodutiva na fase de gestação (dificuldade de entrada em cio, maior número de falhas reproductivas), durante os meses de Verão e Outono.

Os efeitos estacionais: análise e minimização

As baixas das porcas: uma torre de Babel (I)

03-Set-2012 (há 6 anos 4 meses 18 dias)

O registro das baixas de porcas nos programas de gestão costuma ser algo simples, ainda que nem sempre se lhe dê a importância que tem e, portanto às vezes o registo é incompleto, com datas erróneas e sem anotar a causa da baixa. Sem embargo do seu correcto registo e posterior análise podemos obter informação muito útil para a correcta gestão técnico-económica da exploração.

As baixas das porcas: uma torre de Babel (I)

É possível ver o PRRS nos programas de gestão? (II)

20-Ago-2012 (há 6 anos 5 meses 1 dias)

Há explorações nas quais ocorre uma recirculação contínua de PRRS gerando variações na produção da mesma capazes de afectar muito os fluxos esperados de produção. Seguidamente são analizadas estas variações através de um programa de monitorização baseado tanto num programa de gestão informático como de análise SPC (Statistical Process Control).

É possível ver o PRRS nos programas de gestão? (II)

É possível ver o PRRS nos programas de gestão? (I)

06-Ago-2012 (há 6 anos 5 meses 15 dias)

O objetivo fundamental de ter programas informáticos de gestão técnica numa exploração é a de obter, a partir dos dados da mesma, informação que seja de utilidade para melhorar a eficiência produtiva de dita exploração. Dentro dessa informação, tais programas devem servir para detectar e prevenir problemas patológicos que a afectem, e avaliar o impacto que acarretam sobre os resultados da exploração.

É possível ver o PRRS nos programas de gestão? (I)

A árvore da produtividade: ferramenta imprescindível

10-Jul-2012 (há 6 anos 6 meses 11 dias)

Há uma série de variáveis (leitões desmamados/porca, prolificidade, fertilidade, etc.) que nos dão informação sobre a eficiência da exploração. Mas realmente sabemos relacionar estas variáveis, e ponderar cada uma segundo a sua importância, para detectar os pontos críticos e actuar em conformidade? Uma ferramenta muito útil para “situar” e...

A árvore da produtividade: ferramenta imprescindível