Leia este artigo em:

Impacto da exposição precoce à Gripe Suína e ao PRRS na mortalidade após o desmame

A infecção com o vírus da Gripe Suína e do PRRS durante a lactação associa-se ao aumento (limitado no caso da Gripe e de maior magnitude no caso do PRRS) significativo na mortalidade pós-desmame.

Dada a ubicuidade do vírus da Gripe Suína e às dificuldades que implica o seu controlo nas explorações de porcas reprodutoras, a probabilidade de que um porco seja infectado em qualquer momento da sua vida produtiva é muito elevada. Se bem que o impacto directo da Gripe, em termos de mortalidade, seja considerado limitado (<1%), diversos factores como o estado do sistema imunitário no momento da infecção e a presença de outros agentes patogénicos concomitantes podem dar lugar a valores mais elevados. Se a infecção tiver lugar durante a fase de lactação, a presença de anticorpos maternais pode diminuir o impacto da doença relativamente ao que sucederia se esta acontecesse numa fase mais avançada da vida do animal. Contudo, a mesma imunidade maternal pode impedir o desenvolvimento de uma resposta imune completa contra o vírus, aumentando a susceptibilidade do leitão a futuras infecções pelo mesmo vírus da Gripe. A existência de co-infecções com outros agentes patogénicos, como o vírus causador do Síndroma Reproductivo e Respiratório Suíno (PRRS) em fases precoces do desenvolvimento também pode condicionar o impacto da infecção pelo vírus da Gripe Suína. Estabelecer o impacto da exposição ao vírus da Gripe Suína durante a fase de lactação na presença ou não de outros agentes patogénicos pode ajudar, portanto, a quantificar o efeito total que a gripe tem nos parâmetros produtivos, e assim, avaliar a utilidade de estratégias destinadas a evitar a referida exposição.

Num estudo realizado na Universidade do Minnesota em colaboração com um sistema produtivo, tentou-se avaliar o impacto que tinha a circulação do vírus da Gripe e do PRRS nos leitões antes do desmame sobre a mortalidade registada após o desmame e até ao matadouro, em lotes de porcos desmamados quando as explorações de reprodutoras eram positivas ou negativas para cada um dos vírus. Para estabelecer o estado sanitário das explorações de mães incluídas no estudo (n=8) recolheram-se mensalmente amostras de saliva dos leitões lactantes usando de cordas (n=4/sala); as referidas amostras foram analisadas com PCR para a detecção de sequências específicas do material genético do vírus da Gripe e do vírus do PRRS, considerando-se como positivos à Gripe/PRRS os lotes de porcos desmamados não mais de 7 dias antes ou depois de um resultado positivo em cada PCR. A mortalidade pós-desmame desses lotes positivos foi comparada com a registada nos lotes PCR-negativos para cada agente patogénico. Também se considerou o número de dias que durou a engorda de cada lote, o número de animais por lote, a época do ano na que os porcos foram desmamados e a exploração de procedência dos animais.

A análise de 177 lotes de porcos desmamados entre Junho de 2011 e Abril de 2014 revelou um impacto significativo da presença de Gripe Suína nos leitões antes do desmame sobre a mortalidade pós-desmame, já que a mortalidade em lotes positivos foi +13% que nos negativos (a mortalidade média do sistema aumentou de 5,18% para 5,83%) (figura 1). A presença do vírus do PRRS na exploração de mães associou-se a um aumento da mortalidade pós-desmame ainda maior (em médio até 34% superior que nos negativos, aumentando a mortalidade média do sistema de 5,18% para 6,96%, e podendo chegar aos 9,58%) (figura 1). A possível interacção entre a presença de ambos vírus num mesmo lote não pôde ser avaliada, já que os dois vírus não foram detectados simultaneamente ao longo do estudo. Além da presença destes dois agente patogénicos, também a época do ano em que os porcos se desmamaram e a duração do período de engorda foram associados à mortalidade pós-desmame, de modo que os lotes desmamados entre Setembro e Fevereiro e que estiveram na engorda durante mais de 174 dias apresentaram uma maior mortalidade.

Impact of the presence of swine influenza A virus and PRRS virus in post-weaning mortality

Figura 1. Impacto da presença do vírus da Gripe A (IA) e do PRRS na mortalidade pós-desmame registada no desmame estimada mediante a análise de 177 lotes de porcos com um modelo multivariável. A linha encarnada indica a mortalidade média registada no sistema, e os rectângulos representam o aumento estimado sobre a mesma associada à detecção de cada vírus.

Em resumo, os resultados deste estudo demonstram que a infecção com o vírus da Gripe Suína e do PRRS durante a lactação se associa a um aumento (limitado no caso da gripe e de maior magnitude no caso do PRRS) significativo na mortalidade pós-desmame. A impossibilidade de incluír na análise informação registada na engorda limita a capacidade de obter conclusões sobre a possível causa nesta associação dado o longo periodo decorrido entre a detecção do vírus e a medição da mortalidade. Não obstante, estes resultados coincidem com outros estudos realizados previamente, e ressalta a utilidade de combinar registos produtivos das engordas com os resultados dos programas de vigilância sanitárias nas explorações de porcas reprodutoras para realizar uma avaliação completa do impacto da circulação destes agentes patogénicos.

Artigos

Sinais clínicos e diagnóstico de PRRS15-Set-2015 há 4 anos 4 meses 3 dias

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?Se esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags