Leia este artigo em:

Variabilidade da composição química e do valor nutricional do bagaço de soja

Os bagaços de soja procedentes dos EUA, Brasil e Argentina, grandes exportadores, podem apresentar diferenças nutricionais acima do esperado.

O bagaço de soja é a fonte de proteína e aminoácidos de escolha mundial em espécies monogástricas, portanto a uniformidade da sua qualidade e valor nutricional é de especial relevância. A este particular, a composição química e o valor nutricional dos bagaços de soja pode variar em função das condições de processamento (Grieshop et al., 2003), de armazenamento e de origem do grão (Ravindran et al., 2014; García-Rebollar et al., 2016). Como resultado, o perfil e a digestibilidade dos aminoácidos e o conteúdo energético dos bagaços de soja podem sofrer variações a ter em conta quando se precisa optimizar os resultados produtivos. Pela sua importância económica, a indústria deve conhecer os factores que influem na valorização correcta da qualidade dos bagaços de soja a fim de optimizar a formulação de rações.

Figura 1. Evolução dos 10 maiores exportadores de bagaço de soja por campanha. Fonte: FAS-USDA *Dados provisórios
Figura 1. Evolução dos 10 maiores exportadores de bagaço de soja por campanha. Fonte: FAS-USDA *Dados provisórios

A composição nutricional do bagaço de soja varia em função do tipo de grão e das características dos processos de fragmentação e descascamento a que é submetido para facilitar a extracção do óleo (Karr-Lilienlahl et al., 2005). O processamento anterior de descascamento do grão pode originar partículas com diferentes teores de fibra. Além disso, às vezes, parte da casca separada no início do processo é novamente adicionada ao bagaço, reduzindo o teor de proteína e a digestibilidade dos aminoácidos. O teor de proteína bruta (PB) varia entre 46,7 e 48,5% para o alimento de alta proteína e 43 e 45% para o padrão, enquanto os níveis de Lys estão entre os valores de 2,7 e 3,0% (FEDNA, 2017). No entanto, a composição química do bagaço de soja varia também em função da latitude da zona de sementeira, horas de luz, climatologia e condições ambientais durante a época de colheita (Goldflus et al., 2016; Thakur y Hurburgh, 2007). Neste sentido, os bagaços de soja procedentes dos E.U.A., Brasil e Argentina (principais exportadores a nível mundial) podem apresentar diferenças nutricionais superiores ao esperado (figura 1). Ravindran et al. (2014) e Lagos e Stein (2017) descobriram que os bagaços de soja de origem brasileiro continham mais PB que os bagaços de origem E.U.A. ou Argentina. Mesmo assim, deve ser tido em conta que existem diferenças entre bagaços de soja em relação à composição da sua fracção proteica. Os bagaços brasileiros tendem a conter menor quantidade de lisina, aminoácidos sulfurosos e treonina por unidade de PB que os bagaços de origem dos E.U.A. ou Argentina. Além disso, os bagaços de soja procedentes dos E.U.A. costumam conter menos fibra e mais sacarose que os bagaços brasileiros, com valores intermédios para os bagaços de origem argentino. Para o conteúdo energético do bagaço de soja, deve ser tido em conta o conteúdo de açúcares ou a possível variação na digestibilidade da proteína, assim como a presença ou ausência de factores anti-nutricionais (FAN) ou reacções de Maillard. Estes parâmetros podem variar consideravelmente em função tanto da origem do grão como do seu processamento (García-Rebollar et al., 2016).

Figura 2. Composição química do grão de soja de acordo com a FEDNA (2017)
Figura 2. Composição química do grão de soja de acordo com a FEDNA (2017)

Tabela 1. Composição química, perfil de aminoácidos e indicadores de qualidade da proteína dos bagaços de soja e o seu valor de energia neta suíno1 (García-Rebollar et al., 2016)

  Argentina Brasil E.U.A. ESM8 P-valor
Nº amostras 170 165 180    
Análise determinado, %
Cinzas 6,6x 6,3y 6,7x 0,04 <0,001
Proteína bruta (PB) 45,5y 46,8x 46,8x 0,1 <0,001
Ext. Etéreo (hidr. Ac.) 1,7y 1,8x 1,7y 0,04 0,04
Sacarose 6,8y 5,7z 7,4x 0,07 <0,001
Estaquiose 5,0y 4,6z 5,6x 0,04 <0,001
Rafinose 1,2y 1,4x 1,0z 0,02 <0,001
FND2 9,0y 10,4x 7,9z 0,12 <0,001
Perfil aminoácidos, % PB
Lisina 6,11y 6,07z 6,17x 0,005 <0,001
Metionina 1,37x 1,33y 1,37x 0,002 <0,001
Cisteína 1,51x 1,48y 1,51x 0,003 <0,001
Treonina 3,94x 3,89z 3,92y 0,002 <0,001
Triptófano 1,37x 1,35y 1,37x 0,002 <0,001
Indicadores qualidade de PB
AU3, mg N/g 0,014y 0,026x 0,022x 0,002 <0,001
PDI4, % 16,0y 15,0y 19,5x 0,324 <0,001
KOH5, % 81,2y 82,0y 86,1x 0,328 <0,001
AIT6, mg/g MS 2,8y 2,9y 3,5x 0,053 <0,001
Análise calculado
EN7, kcal/kg 2,051y 2,022z 2,085x 3,78 <0,001

1 Todos os resultados estão expressos para 88% de matéria seca
2 Fibra neutro detergente.
3 Actividade urease.
4 Índice de dispersibilidade da proteína.
5 Solubilidade da proteína em KOH.
6 Actividade inibidora de tripsina.
7 Energia neta. Calculada segundo Noblet et al. (2003)

8 Erro standart da média

Os inibidores de tripsina (IT) são os principais FAN presentes no bagaço de soja e podem afectar a digestibilidade dos aminoácidos. Além disso, a presença de oligossacáridos (estaquiose e rafinose) deve ser tida em consideração ao avaliar a sua qualidade nutricional. Não obstante, a quantidade e actividade dos IT é reduzida com um correcto tratamento térmico, o que aumenta o valor nutricional e a digestibilidade dos aminoácidos do bagaço de soja. No entanto, deve ter-se em conta que um tratamento térmico insuficiente não reduz a actividade dos IT, assim como um sobre-aquecimento pode gerar reacções de Maillard que diminuem a digestibilidade da fracção proteica (Fontaine et al., 2007; González-Vega et al., 2011). Os métodos mais utilizados pela indústria para determinar a qualidade da proteína do bagaço de soja são o teste de urease, a solubilidade em KOH e o índice de dispersão da proteína (PDI). Regra geral, estes indicadores de qualidade beneficiam a utilização dos bagaços de soja de origem dos E.U.A. contra a utilização de farinhas de soja de origem brasileiro ou argentino, possivelmente devido a um processamento térmico menos agressivo ou a diferenças no comportamento dos grãos segundo o país de origem, para o tratamento térmico. A indústria de fabricação de rações para suínos deve ter em conta, com base na sua importância económica devido aos elevados níveis de uso, a variabilidade nutricional dos bagaços de soja disponíveis no mercado. Portanto, a origem do grão, as características do seu processamento e armazenamento devem ser tidas em conta para uma adequada valorização da qualidade nutricional dos bagaços.

Bagaço de soja. United Soybean Board
Bagaço de soja. United Soybean Board

Artigos relacionados

Artigos

Trigo mole15-Mai-2019 há 3 meses 7 dias

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags