Leia este artigo em:

Produção suinícola da UE: que futuro para 2019?

Menor número de abates, maior peso médio, produção de carne semelhante, aumento das exportações para a China ...

2ª feira 25 Março 2019 (há 7 meses 26 dias)
gosto

As previsões do USDA para a produção suína europeia para este ano de 2019 indicam uma queda no abate de cerca de 2,5 milhões de cabeças, embora seja o segundo valor recorde, abaixo do alcançado no ano passado. Apesar da diminuição no número de abates, o maior peso médio esperado fará com que a produção de carne fique ligeiramente abaixo de 2018.

Dois fatores são importantes para o que eventualmente acontecerá: a procura por importação da China e os surtos de Peste Suína Africana (PSA).

Em 2018, as exportações de carne suína da UE para a China não atingiram o valor recorde de 2016 (1,46 milhões de toneladas), embora o sector tenha conseguido expandir as exportações para o Japão, Coreia do Sul, Filipinas, Vietname e Estados Unidos. Os Estados-Membros da UE que ganharam volumes de exportação foram a Espanha, a Alemanha e a Polónia. As exportações alemãs para a China e Coreia do Sul aumentaram, enquanto no caso da Espanha e da Holanda, as exportações que aumentaram foram as destinadas ao Japão e à Coreia do Sul.

Embora a produção tenha aumentado 640.000 t, as exportações aumentaram apenas em 140.000 t. Levando em conta esses números e o consumo interno de carne de zero na UE, que o USDA estima em um máximo de 21,0 milhões de toneladas, cerca de 300 mil toneladas serão armazenadas para vendas futuras no mercado nacional ou de exportação. O excedente de produção e armazenamento deverá impulsionar as exportações, especialmente no caso de Espanha e Portugal, que deverão ser os países que aumentarão a produção e as exportações em 2019, enquanto, por outro lado, são esperadas reduções significativas no caso da Alemanha e da Polónia.

Embora o sector suinicola da UE tenha tentado diversificar as suas exportações, a China continua a ser considerada o principal mercado em crescimento. Prevê-se que as exportações da UE para a China aumentem em resposta aos surtos de PSA que estão a ocorrer na China e à crescente procura chinesa por carne. Além disso, as tarifas das importações chinesas de carne de porco dos EUA são consideradas uma vantagem competitiva. Embora os dados mostrem que é principalmente o Brasil que beneficia da redução da concorrência dos Estados Unidos na China, a UE continua a ser, a grande distância, o maior fornecedor de carne suína. A Espanha, actualmente o maior exportador de carne suína da UE, também se concentrará no México e na América do Sul. Como resultado, as exportações espanholas de carne suína para o México devem continuar a crescer. Em 2018, um volume de cerca de 10 mil toneladas de carne de porco espanhola, avaliado em US $ 33 milhões, foi exportado para o México. Actualmente, o México é o principal destino de exportação fora da União Europeia para o presunto Serrano.

Sexta-feira, 22 de Fevereiro de 2019/ GAIN-USDA/ Estados Unidos.
https://gain.fas.usda.gov

Artigos relacionados

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags

Última hora

Um boletim periódico de notícias sobre o mundo suinícola

Não estás inscrito na lista

15-Nov-201908-Nov-201931-Out-201925-Out-2019

faz login e inscreve-te na lista

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui