Leia este artigo em:

Suplementação das dietas de suínos com proteases

A suplementação das dietas de suínos com proteases tem tido tantos resultados positivos como não conclusivos, inconsistentes ou, nalguns casos, inclusive resultaram numa redução do rendimento.

Há quase 30 anos que se utilizam enzimas exógenas de forma comercial nas rações para porcos. Ainda que as proteases representem uma pequena parte do total em comparação com as carbohidrases e as fitases, o seu uso em dietas para porcos tem interesse, especialmente no que se refere ao uso de aminoácidos (AA) de fontes vegetais de proteínas e na redução do efeito prejudicial para o meio ambiente da excreção de azoto (N). Contudo, a suplementação de rações para suínos com proteases tem tido tantos resultados positivos como não conclusivos, inconsistentes ou nalguns casos, inclusive resultaram numa redução do rendimento.

Os primeiros relatórios sobre os efeitos positivos das proteases datam dos anos 1950s, numa série de ensaios com leitões desmamados aos 6-10 dias de vida aos que Lewis et al. (1955) alimentaram com dietas nutricionalmente adequadas que se suplementaram com pancreatina, pepsina, pepsina mais pancreatina, protease fúngica, papaína ou uma enzima proteolítica derivada de Aspergillus oryzae e foram descritos aumentos no ganho relativo de 19, 24, 29, 0, 24 ou 29% respectivamente. Outros estudos mais recentes também demonstraram melhorias no rendimento devidas à suplementação com proteases. Por exemplo, a suplementação com proteases em leitões desmamados melhora a taxa de crescimento e a digestibilidade do N (Tactacan et al., 2016). Por outro lado, Wang et al. (2011) e Zuo et al. (2015) descreveram um aumento do crescimento de leitões desmamados; o último também encontrou um aumento da digestibilidade de proteína. A suplementação das dietas de porcos de acabamento com uma protease comercial produzida por Bacillus licheniformis durante 9 semanas melhorou a conversão alimentícia e a digestibilidade da proteína (Lei et al., 2017) o que está em linha com trabalhos anteriores (Cowieson and Roos, 2016; Upadhaya et al., 2016). A inclusão de uma protease exógena pode aumentar a velocidade ou extensão da hidrólise da proteína da dieta, aumentando os péptidos e os AA disponíveis para serem utilizados no intestino delgado (Guggenbuhl et al., 2012; Yu et al., 2016). Contudo, nalguns estudos não se encontraram efeitos benéficos da adição de protease no crescimento (O’Doherty e Forde, 1999; Thacker 2005; Zamora et al., 2011; Guggenbuhl et al., 2012; Mc Alpine et al., 2012; Chen et al., 2017) pese a se ter observado melhorias na digestibilidade da proteína e dos AA (Guggenbuhl et al., 2012; Chen et al., 2017) (tabela 1). A falta de correlação entre a digestibilidade e os efeitos no rendimento não é pouco frequente e não nos deve surpreender se ao mesmo tempo se reduz o consumo (Walk et al., 2018).

Tabdla 1. Influencia da suplementação com proteases em dietas à base de milho ou sorgo no crescimento e na digestibilidade íleal aparente (DIA, %) em porcos entre os 18 e os 44 kg (modificado de Chen et al., 2017)

Dieta Protease GMD, g Ingesta diária, g

Eficiência alimentícia

DIA PB DIA EB
Milho - 760 1375 0,555 81,7 84,5
+ 752 1372 0,551 85,7 87,2
Sorgo - 770 1443 0,535 81,8 85,5
+ 803 1502 0,539 86,2 86,8
Dieta 0,02 0,001 0,03 0,87 0,78
Protease 0,33 0,31 0,99 0.01 0,06
Interacção 0,10 0,25 0,57 0,90 0,53

Também se reportaram resultados não conclusivos ou negativos relativamente à suplementação com proteases que devem ser tidos em conta. Por exemplo, O’Shea et al. (2014) avaliaram o uso das proteases em porcos de acabamento alimentados com dietas à base de trigo e cevada com 21% de farinha de colza e 30% de grãos secos destilados com solúveis (trigo). A suplementação com proteases aumentou significativamente a digestibilidade íleal aparente do N mas reduziu significativamente a digestibilidade aparente do N em todo o tracto intestinal, a ingesta total de ração e o peso corporal final (BW). Não houve efeito da protease no N urinário ou fecal. Os autores colocaram a hipótese de que a melhoria da digestibilidade do N poderia ser indicativa de um aumento da captação de AA no intestino delgado e que um excedente de AA livres poderia comportar a redução do consumo devido a um mecanismo de retroalimentação aminostático. Contudo, ainda que um excesso de N ou de AA livres na dieta usualmente é excretado na urina ou nas fezes (Monteiro et al., 2010), neste caso não aconteceu. Portanto, o mais provável é que a melhoria da digestibilidade íleal do N deste ensaio seja consequência de uma redução no consumo e, portanto, uma possível redução da velocidade do trânsito, em vez da absorção ou redistribuição do excedente de AA ou de N pelo corpo. Isto comportou a redução da ingesta diária de AA digestíveis ileales, pese à melhoria da digestibilidade de AA, o que terminou implicando um peso corporal final significativamente mais baixo. É por esta razão que os dados de digestibilidade na ausência de dados de ingesta, têm um valor limitado.

Os resultados divergentes poden dever-se a diferenças no período e duração da suplementação, na composição das dietas experimentais, em diferenças na natureza das proteases avaliadas, no grau de suplementação ou na suplementação concorrente com outras enzimas. A combinação com outras enzimas, como a fitase em doses elevadas e as carbohidrases pode melhorar a qualidade da ração ao absorver parte do efeito potencial das proteases exógenas (dos Santos et al., 2017), o que leva à referida inconsistência (Lee et al., 2018). A suplementação com proteases deveria melhorar, em teoria, o valor nutricional das fontes de proteína em dietas para porcos quando o animal não produz suficiente protease própria, mas a teoria entra em conflito com os resultados descritos na literatura científica. Há muita variedade de respostas entre ensaios e fontes de protease (figuras 1 e 2; Lee et al., 2018). São necessários mais trabalhos para identificar as condições sob as quais certas proteases específicas geram beneficios consistentes para a produção suína relativamente ao uso e excreção de AA e N e especialmente na taxa de crescimento e/ou na eficiência.

Figura 1. Alterações no ganho de peso ao suplementar a ração com proteases concretas em comparação com animais controlo. As marcas representam dados individuais para as médias por tratamento.
Figura 1. Alterações no ganho de peso ao suplementar a ração com proteases concretas em comparação com animais controlo. As marcas representam dados individuais para as médias por tratamento.

Figura 2. Alterações na conversão ao suplementar a ração com proteases concretas em comparação com animais controlo. As marcas representam dados individuais para as médias por tratamento.
Figura 2. Alterações na conversão ao suplementar a ração com proteases concretas em comparação com animais controlo. As marcas representam dados individuais para as médias por tratamento.

Artigos

Stress oxidativo em porcos18-Mar-2019 há 2 meses 30 dias

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags