Leia este artigo em:

Sistemas para alimentar porcas na maternidade (II)

Este artigo descreve e compara os sistemas que foram sendo implementados nos últimos anos: o feeding ball, os sistemas de alimentação a seco e a alimentação líquida. Sabe qual deles melhor se adapta às suas necessidades?

Os sistemas ou mecanismos para alimentar as porcas na maternidade foram-se modificando à medida que as explorações de porcas foram ficando mais tecnológicas.

No primeiro artigo, discutimos os sistemas mais tradicionais (alimentação manual, dispensadores e tremonhas).

Neste artigo vamos discutir os sistemas que foram implementados nos últimos anos, com o objectivo de:

  • simplificar o trabalho manual;
  • conseguir uma alimentação ad libitum “real”;
  • evitar que o factor humano seja decisivo para decidir se uma porca come mais ou não.

O feeding ball

Existem vários desenhos de alimentador com dispositivos tipo bola ou basculantes associados a doseadores.

Embora o sistema mais conhecido seja o feeding ball, diferentes casas comerciais têm desenhos semelhantes.

Figura 1. Este sistema de alimentação consiste no dispensador, um tubo de conexão mais ou menos longo, o dispositivo com o funil e o mecanismo basculante ou esfera.
Figura 1. Este sistema de alimentação consiste no dispensador, um tubo de conexão mais ou menos longo, o dispositivo com o funil e o mecanismo basculante ou esfera.

Este sistema de alimentação permite que o dispensador seja utilizado antes do parto e nos primeiros dias após o parto, para que controlar a alimentação da porca e limitar a quantidade de alimento, aumentando progressivamente até aproximadamente o 7º ou 10º dia de lactação. A partir desse momento, o distribuidor é colocado ao máximo, de modo que o funil inferior seja enchido e seja a porca que decide a quantidade que deseja comer.

Vantagens do sistema:

  • consegue compatibilizar um consumo controlado com aumento progressivo no início da lactação, com um sistema ad libitum à medida que a mesma avança;
  • a tremonha está fisicamente separada do comedouro, de modo que a ração é mantida fresca, limpa e seca antes de a porca a fazer cair no comedouro;
  • permite comer a horas distintas do accionamento do sistema automático, o que é de grande ajuda em épocas de calor, quando a porca pode comer em horas mais frescas (de noite), e mitigar até certo ponto a diminuição do consumo alimentar que ocorre nestas épocas.

A ter em conta:

  • com este sistema, uma porca pode ingerir uma grande quantidade de alimentos de uma só vez (até 5-6 kg), correndo o risco de aumentar as mortes súbitas provocadas por torções do estômago ou enterotoxemias associadas ao consumo excessivo de ração, especialmente quando a passagem da alimentação controlada para a alimentação ad libitum é muito abrupta, ou a exploração não é regular no fornecimento de alimentos (por exemplo, nos fins de semana, onde se salta uma refeição);
  • devem ter algum mecanismo para facilitar, ou dificultar, a queda da ração quando a porca tem a tendência de operar o dispositivo para "brincar" com a ração ao invés de comê-la;
  • em algumas ocasiões, se as porcas não tiverem muitos leitões ou não produzirem muito leite, a quantidade de alimento que a porca ingere pode ser excessiva, tornando-se gorda na fase de lactação, o que também não é benéfico para uma boa entrada no cio.

Sistemas electrónicos de alimentação em seco

Nos últimos anos, começaram a ser usados sistemas eletrónicos onde a alimentação é controlada por uma curva de alimentação introduzida no software.

Estes sistemas simulam, de certa maneira, o modo de funcionamento da alimentação líquida. Neles, uma ou várias curvas de alimentação são determinadas e a cada porca na maternidade é atribuída a uma curva.

À medida que os dias de lactação progridem, a porca recebe mais ração, seguindo a curva marcada.

Foto 2. Sistema electrónico de alimentação em seco.
Foto 2. Sistema electrónico de alimentação em seco.

Vantagens do sistema:

  • permite distribuir o consumo diário em diferentes porções, para que seja mais fácil aumentar a entrada total, ou até alimentar à noite em períodos do calor;
  • podem ser criadas diferentes curvas, dependendo das necessidades dos animais (para primíparas e multíparas, por exemplo);
  • procura reduzir o desperdício de ração, distribuindo a ingestão em diferentes porções que a própria porca as gira, pressionando um botão (foto 3);
  • a partir do computador podemos modificar as curvas, analisar o consumo individual das porcas, etc.

Foto 3. A maioria desses sistemas faz a descarga da ração em porções de algumas gramas. Para evitar o desperdício de alimento, há uma primeira descarga que exerce um efeito "chamada para comer", mas não descarrega mais se a porca não apertar o botão.
Foto 3. A maioria desses sistemas faz a descarga da ração em porções de algumas gramas. Para evitar o desperdício de alimento, há uma primeira descarga que exerce um efeito "chamada para comer", mas não descarrega mais se a porca não apertar o botão.

A ter em conta:

  • o seu preço é superior ao dos outros sistemas;
  • necessita pessoal formado, familiarizado com o uso de computadores;
  • não se pode prescindir totalmente da “supervisão humana” para controlar.

A alimentação líquida

Muito utilizado noutros países da Europa, permite alimentar porcas com curvas de alimentação.

A maior vantagem é a económica, pois permite o uso de sub-produtos que reduzem o preço da ração, embora a maior vantagem seja obtida na fase de engorda e não na fase de lactação.

Tem a vantagem de, quando se utiliza alimento diluído, a porca ingere muita água enquanto come.

Os sistemas mais antigos descarregam toda a ração, independentemente de a porca ter ingerido ou não a sua ração anterior. Em qualquer caso, eles precisam da supervisão e modificação da curva para evitar o desperdício de alimento que isso significa.

Os sistemas mais modernos incorporam um medidor de nível (foto 4). Com alimentação líquida bem gerida, pode obter-se um excelente consumo de ração, mas requer um alto investimento inicial, excelente gestão do sistema e cuidadosa higiene e limpeza das instalações.

Foto 4. Com o sensor de nível, a próxima refeição não será descarregada se a porca não tiver terminado a sua ração anterior.
Foto 4. Com o sensor de nível, a próxima refeição não será descarregada se a porca não tiver terminado a sua ração anterior.

Os novos sistemas também forçam mudanças no maneio e na maneira de observar os animais.

Com alimentação manual ou dosagem, os trabalhadores da maternidade estão presentes quando a porca come. Desta forma, é fácil ver se uma porca se levanta para comer ou não e, em caso negativo, descobrir o que se passou e agir em conformidade.

Com muitos dos novos sistemas, as porcas comem sem ninguém presente e isso obriga a mudar a maneira de controlar para ver se o doseador que faz a reserva de ração a deixou cair ou não, há que saber como extrair as informações apropriadas do computador e observar com mais atenção as porcas etc.

Hoje em dia há diferentes opções para alimentar porcas na maternidade. Não existem sistemas perfeitos, todos têm suas vantagens e desvantagens.

Cada exploração deve pensar qual é o mais adequado para suas condições de trabalho, genética e perfil dos seus trabalhadores.

Artigos relacionados

Artigos

Reportagem: Exploração La Bonita, Colômbia04-Set-2019 há 1 meses 15 dias

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags