Leia este artigo em:

Intervalo desmame -1ª cobrição não são apenas dias não produtivos

Não só está relacionado ao DNP, mas pode ter mais impacto do que podemos assumir inicialmente.

Actualmente o intervalo desmame - 1ª cobrição (IDC) é um dos principais indicadores que explicam o rendimento de uma exploração. Este intervalo é definido como o número de dias entre o desmame de uma porca e a sua primeira cobrição pelo que, com o objectivo de gerar o menor número de dias não produtivos (DNP), é de toda a importância minimizá-lo. Hoje em dia sabemos que este intervalo não só se relaciona com os DNP, mas que pode ter mais impacto do que se poderia supor inicialmente.

Analisando o IDC de 481.288 cobrições pós-desmame correspondentes ao ano de 2017 da nossa base de dados, obtém-se a seguinte distribuição:

Gráfico 1. Distribuição do IDC em 2017
Gráfico 1. Distribuição do IDC em 2017

Claramente observa-se que 4 e 5 dias são os IDC mais comuns, com 48,75 % e 28,1 % respectivamente. Na tabela seguinte (tabela 1), mostram-se os resultados pós-cobrição destes dois grupos de porcas quanto a taxa de partos (TP) e prolificidade expressa como nascidos totais (NT) do parto seguinte. Além disso, também é mostrada a composição de cada grupo: a sua idade média expressa em número de partos médio e a percentagem de porcas primíparas contidas em cada grupo.

Tabela 1. Comportamento pós-cobrição segundo o IDC. (IDC médio 5.7 dias). Ano 2017

TP NT Idade média (Partos) % Porcas de P1
IDC4 89,5 15,7 3,5 17,8%
IDC5 87,4 14,9 3,3 23,4%

Segundo o IDC, é observada uma notável diferença no que se refere à prolificidade, registando-se melhores valores para um IDC de 4 contra o de 5 dias. Por outro lado, observa-se que há uma maior percentagem de porcas que vêm da sua primeira lactação no IDC de 5 dias que no de 4, algo espectável do ponto de vista fisiológico

De seguida, são mostrados os resultados dos grupos IDC4 e IDC5 segundo o número de parto da porca (Tabela 2). São divididos em 4 grupos que são as porcas de parto 1, de parto 2, entre 3-6 partos e de 7 partos ou superior. Segundo a tabela, o grupo IDC4 obtém melhores resultados em todos os partos tanto em prolificidade (entre 0,7 e 0,9 leitões a mais) como em TP (entre 1,3 e 2,8 %).

Tabela 2. Comportamento pós-cobrição por número de Parto e IDC. 2017.

Parto 1
TP (%) NT Diferença prolificidade
IDC 4 87,6 15,3 0,8
IDC 5 85,2 14,5
Parto 2
TP (%) NT Diferença prolificidade
IDC 4 90,3 16,1 0,9
IDC 5 87,5 15,2
Parto 3-6
TP (%) NT Diferença prolificidade
IDC 4 90,1 15,9 0,8
IDC 5 88,5 15,1
Parto 7 ou superior
TP (%) NT Diferença prolificidade
IDC 4 87,8 14,5 0,7
IDC 5 86,5 13,8

Para testar se esta diferença quanto à prolificidade, entre IDC4 e IDC5, varia em função do rendimento produtivo de uma exploração (medido como os desmamados/porca e ano), foram criados 2 sub-grupos em função de tal parâmetro. Um primeiro grupo formado por explorações com uma capacidade produtiva superior a 30 desmamados/porca e ano e um segundo grupo formado por aquelas cuja produtividade se situa abaixo dos 25 desmamados/porca e ano.

No que respeita à distribuição dos IDC, tal como mostra a seguinte tabela, observa-se que em ambos os grupos eles concentram as maiores percentagens entre os 4 e 5 dias. Além disso, as explorações com DCA > 30 concentram 78,4 % de todas as cobrições, enquanto que no caso de explorações com um DCA < 25 acumulam 67,0 %.

Gráfico 2. Distribuição (%) dos IDC por tipo de exploração. Ano 2017.
Gráfico 2. Distribuição (%) dos IDC por tipo de exploração. Ano 2017.

De seguida, os grupos DCA> 30 e DCA <25 são analisados separadamente. Para o grupo DCA> 30 (tabela 3), podemos ver que, assim como no grupo global analisado acima, o IDC parece ter um certo impacto no TP posterior (excepto em porcas velhas de 7 ou mais partos), assim como sobre a prolificidade no parto seguinte de forma mais acentuada (entre 1,0 e 1,5 mais leitões para porcas de IDC4).

Tabela3. Más de 30 DCA. (médio 5,2 dias). Ano 2017.

Parto 1
TP (%) NT Diferença prolificidade
IDC 4 90,9 17,3 1,2
IDC 5 89,1 16,1
Parto 2
TP (%) NT Diferença prolificidade
IDC 4 91,8 18,2 1,5
IDC 5 89,7 16,7
Parto 3-6
TP (%) NT Diferença prolificidade
IDC 4 92,1 18,4 1,5
IDC 5 91,0 16,9
Parto 7 ou superior
TP (%) NT Diferença prolificidade
IDC 4 88,3 17,1 1,0
IDC 5 90,4 16,1

No caso de explorações com menos de 25 DCA (tabela 4), observa-se o mesmo efeito, sendo a diferença numérica mais marcante em porcas jovens para a taxa de partos e menor em prolificidade de maneira mais estável para todos os partos.

Tabela 4.- Menos 25 DCA. (IDC médio 6,1 dias). Ano 2017

Parto 1
TP (%) NT Diferença prolificidade
IDC 4 86,6 13,8 0,4
IDC 5 81,2 13,4
Parto 2
TP (%) NT Diferença prolificidade
IDC 4 88,1 14,6 0,3
IDC 5 84,9 14,3
Parto 3-6
TP (%) NT Diferença prolificidade
IDC 4 86,8 14,5 0,4
IDC 5 85,7 14,1
Parto 7 ou superior
TP (%) NT Diferença prolificidade
IDC 4 86,5 13,2 0,3
IDC 5 85,3 12,9

Portanto, de acordo com os resultados obtidos, e embora ainda esteja pendente uma análise estatística que confirme a significância dos resultados, o IDC determina em grande parte o TP e o NT no ciclo seguinte, especialmente naquelas explorações de alto desempenho com 30 ou mais leitões desmamados por porca e ano. Independentemente do número de parto. Se também levarmos em conta que o intervalo de desmame - 1ª cobrição gera DNP, não há dúvida de que conseguir cobrir as porcas em torno do dia 4 deve ser o nosso objectivo.

Artigos relacionados

Artigos

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags