Leia este artigo em:

Aclimatação da reposição ao vírus PRRS - Há diferentes abordagens em países diferentes?

Qual é o método preferido de exposição ao PRRS e o melhor estatuto de reposição? A mesma deve ser criada na exploração ou comprada? Veterinários da Alemanha, América do Norte, China e Espanha partilham as suas opiniões.

Tal como foi referido no primeiro artigo desta série sobre o PRRS, o grupo de veterinários entrevistado por todo o mundo acredita que o vírus PRRS tem um grande impacto em muitos dos problemas que eles vêem diariamente. Sem excepção, todos eles dependem de estratégias de aclimatação para adaptar o sistema imunológico de substituição às explorações dos seus clientes. Estas estratégias são ainda mais importantes com taxas de reposição altas em sistemas de produção grandes, onde as nulíparas representam uma proporção importante das reprodutoras. Como diz a minha grande amiga, a Dr. Laura Batista, a aclimatação da reposição é o primeiro ponto dos “não negociáveis” no momento de lutar contra esta doença. Controlar a circulação do vírus na reposição leva à estabilização da exploração e a conseguir o principal objectivo que é desmamar porcos negativos ao vírus PRRS.

Neste segundo artigo, serão descritas as diferentes estratégias de aclimatação implementadas por 4 veterinários especialistas em porcos da Alemanha, América do Norte, China e Espanha.

Estando interessados em saber quais os protocolos standart, para começar foi-lhes perguntado sobre o estatuto relativamente ao vírus PRRS da reposição à sua chegada à exploração. Em Espanha, não é raro receber reposição positiva a anticorpos do vírus PRRS. Vidal garante que 50% da substituição de seus sistemas de multiplicação recebem primalas seropositivas contra o vírus PRRS. Seja qual for o estado, todos as primalas recebem uma dose de vacina viva modificada (MLV) à chegada e uma segunda dose 4 semanas depois, durante o período de aclimatação. Na Alemanha, Böhne explica que a maioria dos produtores recebe reposição negativa e que é vacinada com PRRS MLV durante a aclimatação. Na China, Wang tem dois cenários bem diferentes. As explorações familiares mais tradicionais não têm opção de receber reposição negativa e ainda há uma falta de conhecimento sobre o impacto que essa situação possa ter nas suas explorações. Em sistemas de produção maiores, há uma tendência a seguir um processo de aclimatação bem definido e a introduzir uma reposição naïve contra o vírus PRRS, no entanto, o suprimento de reposição naïve nem sempre é garantido. Pitkin é muito claro sobre este primeiro ponto e afirma que ter uma fonte de reposição negativa é uma obrigação e que ninguém recebe reposição positiva nas suas explorações.

Os 4 veterinários estão de acordo em que a estratégia mais comum é ter a instalação de aclimatação na exploração (foto 1). Estas instalações podem estar juntas ou separadas da instalação principal, com acesso restrito ou não restrito a pessoal, mas de alguma forma a substituição é separada durante os períodos de quarentena (embora nem sempre) e adaptação. Pitkin explica que, embora possa parecer que a instalação de aclimatação na própria exploração pode aumentar o risco para os criadores da exploração, é mais fácil monitorizar e controlar do que um local fora da exploração. Ela afirma que: "outras explorações perto de sua quarentena, quando a quarentena está fora da sua exploração, representam um risco potencial que é difícil de controlar. Pelo menos, quando está perto, esse risco pode ser melhor controlado ". Também explica que os trabalhadores tendem a adaptar os seus protocolos de biossegurança, dependendo de se a substituição está em quarentena ou período de aclimatação após a chegada de cada grupo. Durante as quarentenas, o pessoal assume sempre que o grupo de animais recém-chegado tem um estatuto sanitário mais baixo e, como resultado, os protocolos de biossegurança são modificados para proteger as porcas já presentes na exploração. Durante a aclimatação, o pessoal geralmente considera que o grupo de substituição tem o mesmo estatuto sanitário das porcas reprodutoras e tende a ter menos movimentos restritos.

Foto 1. Unidade de cria e de reposição (gilt development unit, GDU). Cortesia de María José Clavijo.

Foto 1. Unidade de cria e de reposição (gilt development unit, GDU). Cortesia de María José Clavijo.

Os produtores preferem criar a sua própria reposição ou comprá-la externamente? Wang responde que a maior parte dos criadores chineses compram a reposição a fornecedores externos. Böhne afirma que, enquanto que a maioria dos produtores compra reposição externa, há áreas na Alemanha com explorações de menor tamanho onde os criadores produzem a sua própria reposição por razões de biossegurança. Vall Companys, o grupo no qual Vidal trabalhou durante os últimos 16 anos, tem unidades de cria de reposição (gilt development unit) externas às explorações que trabalham tudo-dentro-tudo-fora. Estes locais dedicam-se a criar a reposição e, às 22 semanas de idade, são conduzidas às salas de quarentena-aclimatação nas explorações de porcas. Esta abordagem de gestão contribui significativamente para a biossegurança geral do sistema. Pitkin explica que esta mesma abordagem é cada vez mais comum na América do Norte onde é realizada em sistemas de produção que têm a sua própria multiplicação interna e dedicam estas unidades exclusivamente à cria de reposição para outras explorações do mesmo grupo.

Com base nas respostas às perguntas anteriores, quisemos conhecer o método e também o tipo de vírus para a exposição preferido (vírus vivo modificado (MLV) vs inoculação do vírus vivo de campo (LVI)) como standart no processo de aclimatação. Vidal e Böhne, os representantes europeus, preferem, sem dúvida, o uso de MLV para a aclimatação da reposição. Por outro parte, Pitkin e Wang têm mais experiência com LVI. Pitkin estima que aproximadamente 40% dos criadores americanos usa LVI nas suas explorações. Os criadores encontram mais frequentemente confiança nesta abordagem, particularmente quando o vírus da vacina não se parece com o vírus de campo existente na exploração. “A inoculação do vírus vivo era mais comum há um tempo atrás, é uma decisão que depende do veterinário assistente, no entanto, a tendência está a sofrer mudanças para um maior uso de vacinas MLV”- diz Pitkin. Wang diferencia entre tipos de explorações: as que têm as instalações para a reposição fora da exploração tendem a usar mais LVI, enquanto que as que têm as instalações na própria exploração tendem a usar mais vacinas MLV. A decisão de se usar as opções MLV ou LVI também influi nos protocolos de adaptação e na duração dos mesmos. O próximo artigo desta série será dedicado a este tema.

Artigos

Importância da saúde intestinal na produção suína10-Set-2018 há 1 anos 2 meses 28 dias

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags