Leia este artigo em:

Papel do comércio internacional e viagens na disseminação transfronteiriça de doenças suínas

À medida que a globalização aumenta a interconexão entre nações, economias e indústrias, a introdução de doenças continuará a ser uma ameaça proeminente ao sector pecuário e ao comércio de animais e produtos animais, bem como à subsistência dos agricultores, à segurança alimentar e à saúde pública. .

6ª feira 15 Março 2019 (há 3 meses 2 dias)
gosto

O sector suíno global, com seu tamanho e dicotomia entre o tipo de produção e o nível de biossegurança, é particularmente vulnerável à transmissão de doenças animais transfronteiriças, como a Peste Suína Africana e Clássica, a Febre Aftosa ou a Síndrome Reprodutiva e Respiratória Suína. Todas representam uma ameaça constante à saúde dos suínos, principalmente como resultado do comércio internacional formal e informal.

Inspirada na metodologia de avaliação de risco, a FAO classificou e forneceu uma visão geral das diferentes vias de introdução e exposição de doenças suinas, ilustradas com exemplos abundantes. As vias de introdução podem ser classificadas como comércio internacional formal, comércio internacional informal e disseminadas por fomites. O comércio formal de suínos e produtos suínos é regulado por legislação e medidas que protegem as populações de animais de doenças exóticas. Muito mais difícil de controlar é a transmissão de doenças transfronteiriças dos suínos originada pelo comércio informal, o que implica o contrabando ilegal, mas também a transferência informal transfronteiriça de animais e produtos para uso pessoal ou dentro de cadeias informais de mercado. Os produtos cárneos são mais comumente envolvidos na disseminação transfronteiriça, seguidos por fomites de diferentes tipos, e porcos vivos, sendo mais difícil contrabandear.

Avaliações de risco podem auxiliar na identificação de vias de introdução e exposição de agente patogénicos. No entanto, as informações quantitativas sobre as vias informais de introdução da doença ainda são muito escassas e frequentemente incompletas, dificultando a estimativa das magnitudes reais dos riscos, sendo esse conhecimento considerado essencial para estabelecer programas de consciencialização, prevenção e vigilância baseados em riscos que correspondam à realidade. Isto é particularmente relevante nos dias de hoje, com a PSA a estender-se a novas regiões e países nos últimos meses.

Os resultados foram publicados no BMC Veterinary Research, uma revista científica revista por pares (Beltran-Alcrudo et al., 2019)

Sexta-feira, 6 de Março de 2019/ FAO.
http://www.fao.org

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags

Última hora

Um boletim periódico de notícias sobre o mundo suinícola

Não estás inscrito na lista

14-Jun-201907-Jun-201931-Mai-201924-Mai-2019

faz login e inscreve-te na lista

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui