Repovoamento e Estado Corporal

Este é um caso de repovoamento de uma exploração que não funcionou de forma ideal. Rapidamente apareceram problemas de diarreias e de entradas em cio.

2ª feira 7 Fevereiro 2011 (há 7 anos 5 meses 13 dias)

Trata-se de uma exploração de ciclo fechado com 500 porcas situada numa zona de alta densidade suína no oeste de França.

A exploração utiliza a auto-substituição com a compra de avós e fornece primíparas a outra exploração.

Após a compra, em 2008-2009, a exploração foi despovoada e repovoada. Os primeiros partos ocorreram em Agosto de 2009.

O maneio realiza-se em 5 bandas cada 4 semanas com desmame aos 21 dias. As doses de sémen utilizadas são compradas, bem como a alimentação, que também se adquire no exterior.

Estatuto sanitário e programa vacinal

Patógeno
Estatuto
Vacinação
PRRS
Negativo
Não
Mycoplasma
Negativo
Não
Actinobacillus pleuropneumoniae
Negativo
Não
PCV2
Sem sinais clínicos
Sim (1)
Parvovirus
Sem sinais clínicos
Sim (2)
Colibacilo (K88 / K99) / Clostridium
Presença de diarreias
Sim (3)
Rinite atrófica
Sem sinais clínicos
Não
(1) 2 injecções em intervalos de 1 mês à chegada das primíparas e rappel 1 mês antes do parto
(2) primíparas: 2 injecções com intervalo de 3 semanas (5 e 2 semanas antes da inseminação artificial)
(3) primíparas: 2 injecções com intervalo de 3 semanas (6 e 3 semanas antes do parto)




Aparecimento do Caso


O suinicultor entra em contacto com o veterinário após observar problemas de:

  • leitões com diarreia,
  • consumo das porcas em lactação,
  • entrada em cio após o desmame.


Análise dos resultados técnicos

14/09/09

N° banda
Semana de parto
Fertilidade eco %
Índice de partos
NT
NV
NM
Mumificados
Desmamados
% perdas/NV
Qualidade dos leitões
B1
32
92,5
88
14,8
13,62
0,46
0,28
11,73
13,9
Bem
B2
36
96
93
14,3
13,32
0,65
0,33
11,44
14,1
Diarreia
B3
40
92
90
-
-
-
-
-
-
-

Fertilidade após o parto

N° banda
Semana de parto
% de entradas em cio
% de retornos/ IA
% vazias eco/IA
% Fertilidade eco
B1
35
84%
1,20%
6,00%
93%
B2
39
82,60%
-
-
-

Pode observar-se que apesar dos problemas de diarreias na maternidade, o número de leitões desmamados é correcto na banda 2. De todas formas, é de notar que a qualidade dos leitões é mediana, vários leitões débeis com diarreia foram desmamados.

O problema principal está relacionado com umas entradas em cio muito delicadas. 15 porcas em 93 não entraram em cio na banda 1. Menos de 85% das porcas entraram em cio após o desmame. De todas formas, devemos comentar que uma vez realizada a IA, a fertilidade parece boa (93%).


Visita à Exploração


Maternidade

  • Várias ninhadas de pequeno tamanho nas bandas 1 e 2.
  • Poucas diarreias na B1 mas com pioria da situação na B2:
    • aparecimento de diarreias nos doi primeiros dias após o parto,
    • mortalidade baixa durante os primeiros dias mas que aumenta ao cabo de uma semana devido a uma desidratação dos leitões, bem visível
    • sem efeitos significativos dos antibióticos nas diarreias.
  • As porcas parecem gordas no momento do parto.
  • Baixo consumo alimentar das porcas:
    • primíparas com um consumo a 80% da curva de alimentação, algumas a 70%.
    • emagrecimento líquido das porcas na maternidade (aparecimento de úlceras nas espáduas de várias primíparas).
Cobrição/Gestação
  • Problemas com as entradas em cio:
    • percentagem de entradas em cio inferior a 85% nas duas primeiras bandas,
    • efeito limitado da injecção com gonadotropina (11% de porcas tratadas que não entram em cio contra os 28% das não tratadas).
  • As porcas estão magras no momento do desmame.
  • Contudo, bons resultados de fertilidade (93%).


Conclusões da Visita e Medidas a Tomar


Consumo das porcas na maternidade
  • Inicia-se a medição da espessur de gordura dorsal com a finalidade de objetivar as observações visuais, avaliar o estado das porcas à entrada na maternidade e a perda de condição corporal na lactação,
  • distribui-se um alimento complementar uma vez finalizado o episódio de diarreias na maternidade com o objectivo de minimizar a perda de condição corporal na maternidade,
  • sistematizar a injecção de gonadotropinas ao desmame já que tem um efeito, ainda que seja limitado,
  • realizar flushing no momento do desmame com 4 kg associado a uma suplementação oligo-vitamínica.
Prevenção das diarreias
  • Realização da necropsia de 2 leitões com diarreia não tratados e realização de uma bacteriologia,
  • Fornecimento de fezes de porcas multíparas e de diarreias de leitões de diferentes ninhadas misturadas com um pouco de leite em pó para imunizar as primíparas,
  • Eliminação das almofadas de parto mal desinfectadas.
  • Avaliação da contaminação bacteriana das salas mediante um controlo da desinfecção.


Balanço das análises realizados


Medidas de espessura de gordura dorsal


A banda 3 de primíparas é muito heterogénea em relação à condição corporal. Unicamente um terço das porcas é que se encontra dentro do intervalo "objectivo" ([17 ; 19]) enquanto que outro terço apresenta um estado corporal insuficiente, se bem que apresentem um bom estado visual, o que indica que o grupo é muito musculoso.

Mais de um terço das porcas apresenta uma condição corporal muito importante (20 mm de espessura de gordura dorsal) com várias primíparas com um EGD que pode atingir os 27 mm. Uma porca demasiado gorda à entrada na maternidade é uma porca de risco. Além do risco de parto difícil, uma porca gorda tem tendência para um menor consumo durante a lactação, coisa que favorece uma perda importante de estado corporal durante este período. Esta perda de estado corporal é acompanhada muito frequentemente pelo aparecimento de chagas nas espáduas.


No desmame observa-se como menos de 50% das porcas se situam dentro do intervalo "objectivo" [12 ; 16 ]. Há numerosas porcas muito magras (um terço das porcas tem menos de 12 mm de espessura de gordura no momento do desmame) e algumas estão demasiado magras (menos de 9 mm de EGD).


Observa-se que várias porcas perderam mais de 5 mm de gordura na maternidade. Normalmente não deveria perder-se mais de 5 mm na maternidade com o objectivo de não penalizar o rendimento reprodutivo seguinte.


A perda de estado corporal na maternidade determina-se em 5,1 mm de gordura em 21 dias. Este nível de perda seria tão importante com um desmame aos 28 dia. A perda de gordura máxima tolerada na maternidade deveria ser de 4 mm.

Conclusão e Necrópsias


Observa-se que o nível de perda das "porcas magras" e em "Bom estado" encontram-se dentro dos valores limite, se bem que sejam aceitáveis. O principal problema situa-se nas porcas gordas à entrada na maternidade. A perda de estado é 75% mais elevado nas porcas gordas que nas outras, coisa que mostra que quanto mais gorda é uma porca na maternidade, maior é a probabilidade que perca muita gordura durante a lactação.

A população de risco neste caso é, pois, o grupo de porcas demasiado gordas.

Necropsia

As necropsias foram realizadas em 2 leitões de 5 dias de vida.

Bacteriologia:
  • Isolam-se 2 Escherichia coli não tipificáveis no conteúdo do jejuno.
  • Não se isola nem enterococos nem clostridios (Clostridium perfringens oClostridium difficile)
Histologia:
  • Presença de enterite atrófica aguda marcada de possível origem viral.

À luz destes resultados, torna-se difícil concluír que haja uma origem patológica bem definido.

Hipóteses e Plano de Trabalho


Enfrentamo-nos principalmente com 3 problemas:

  • o maneio do estado corporal das primíparas
  • o maneio das entradas em cio das primíparas
  • o maneio das diarreias em maternidade

Plano de alimentação das primíparas
O primeiro objectivo é ter primíparas que tenham apetite e que consumam o alimento desde o parto.

Deveria ser controlado o estado das primíparas gestantes nas próximas bandas que entrem num primeiro momento (4 e 5). O plano de alimentação das primíparas na quarentena e gestação era provavelmente demasiado elevado (2,7 kg / porca / dia). Este plano de alimentação conduziu ao desenvolvimento muscular e à deposição de gordura excessiva. Logo, chegamos ao parto com porcas com um elevado potencial (mais de 14 leitões nascidos totais) com uma capacidade leiteira real (as porcas desmamam 11,5 leitões apesar dos problemas de diarreia), mas têm um apetite muito limitado.

O plano alimentar reduziu-se para 2,5 kg/dia com um ligeiro aumento durante as três semanas anteriores ao parto (2,8 kg).
Plano de alimentação das primíparas e entradas em cio
Os problemas de repetições têm provavelmente 2 origens relacionadas: um estado corporal demasiado débil no momento do desmame (as porcas com menos de 12 mm de EGD) e uma perda de estado muito importante durante a lactação (porcas que estão para ser desmamadas e no momento do desmame mas que perderam demasiadas reservas durante a lactação devido a um baixo consumo durante o parto).

Torna-se necessário, pois, repensar a alimentação das primíparas.

Tendo em conta o baixo consumo de ração na maternidade, a primeira lactação deve controlar-se de forma individual mediante um complemento alimentar para diminuir a perda de estado ao desmame.

Depois do qual a curva de alimentação das porcas na segunda gestação deve ser corrigida para encontrar um estado de engorda normal.


Realizam-se modulações sobre esta curva:

  • porcas magras ao desmame: aumenta-se o nível de alimentação de 0,5 a 1 kg/d de forma que a EGD no momento da ecografia seja de 13 mm.
  • porcas com boa condição (mais de 16 mm no momento do desmame): o nível alimentar diminui-se em 0,5 kg/d com a finalidade de limitar a engorda destas porcas.

O objectivo desta curva é restablecer rapidamente o estado corporal das porcas após o desmame. Uma vez alcançado o estado óptimo, o estado mantém-se estável e estabelece-se um aumento da ração das porcas durante as três semanas antes do parto.

O nível foi diminuído para 2,3 kg para poder limitar os riscos de encontrar animais demasiado gordos no momento do parto. Isto deverá permitir aumentar de forma importante o nível de racionamento das porcas durante as três últimas semanas (de 3 a 3,5 kg/d) e assim melhorar no consumo das porcas na maternidade.

Gestão das diarreias

A etiologia das diarreias não parece bem definida. A histologia parece orientar o diagnóstico para uma origem viral. Não estamos frente a um agente patogénico clássico de diarreia neonatal (Escherichia coli, Clostridium perfringens…).

Dentro daquilo que é um repovoamento, a contaminação das primíparas foi débil antes do parto, o nível imunitário das primíparas é heterogénio. O primeiro trabalho a realizar é favorecer ao máximo a imunização das primíparas.

Além de gerir, caso a caso, a diarreia com antibióticos, estabeleceu-se a contaminação das primíparas gestantes com:

  • diarreia de leitões misturada com leite em pó
  • fezes de fêmeas na maternidade.


Resultados Obtidos


O consumo das primíparas na maternidade melhorou na banda 5. Os problemas de diarreia nos leitões também melhoraram mas ainda são importantes.

As entradas em cio nesta banda também melhoraram (98%). Devemos referir que se realizou um tratamento à base de um análogo da GnRH, este tratamento parece melhorar a entrada em cio das primíparas da exploração.

Banda 1: entrada na maternidade

Estado da banda à entrada na maternidade


À entrada na maternidade percebe-se que a tendência no estado das primíparas inverteu-se claramente. Encontramos uma banda de primíparas magras. As primíparas perderam muita condição corporal desde a primeira lactação e não recuperaram suficientemente durante o mês seguinte à inseminação.

As medidas correctoras do estado das porcas não se puderam iniciar totalmente e de forma rápida na banda 1, isso explica provavelmente o estado corporal nesta banda.

Comportamento da banda 1 na maternidade


O consumo das porcas foi correcto. As porcas saem magras no momento do desmame (mais de 40% das porcas apresentam um estado de gordura insuficiente). Contudo, a perda de estado de gordura limita-se a esta banda (menos de 10% das porcas perderam mais de 5 mm de EGD contra os 40% da banda 3).

Isto demonstra de forma particular a importância de ter um estado corporal suficiente mas não muito elevado à entrada na maternidade.

Maneio das diarreias


O maneio das diarreias continua a ser um problema. A banda 1 não teve problemas de diarreias nas primíparas, é pois provável que a contaminação desta banda tenha sido limitada. A avaliação do comportamento dos leitões na banda 2 dará maior informação.

Entrada das porcas em cio

As entradas em cio na banda 1 (porcas de terceiro parto) foram boas. Só duas das porcas desmamadas não entraram em cio na 5ª feira seguinte ao desmame. Nesta banda, as porcas não receberam análogo da GnRH nem gonadotropina (salvo algumas porcas muito magras que receberam análogo da GnRH).

Isto mostra a importância do maneio do estado das porcas gestantes na maternidade na melhoria dos resultados reprodutivos.



Conclusão Final


Encontramo-nos ante um caso de repovoamento de uma exploração que não funcionava de forma ideal. Rapidamente apareceram problemas de diarreias e de entradas em cio.

O estado das primíparas era um problema. Encontramo-nos frente a um efectivo de primíparas heterogénio, com numerosos animais demasiado gordos e musculosos. As consequências fizeram-se notar no consumo das porcas na maternidade e em consequência sobre a lactação, na perda de condição corporal na maternidade assim como na qualidade do aparecimento do cio.

O segundo problema é inerente a todo o repovoamento, o microbismo da exploração não é estável. Apesar de um protocolo de vacinação correcto contra as diarreias neonatais, estas apareceram rapidamente. As perdas nas porcas são aceitáveis se bem que a qualidade dos leitões ao destete se tenha deteriorado. Além disso, os problemas de diarreias levaram a um debilitamento dos leitões e em consequência a uma pior estimulação da lactação da porca. Estes problemas uniram-se aos problemas de condição corporal das porcas.

Numa situação de repovoamento de uma exploração, é difícil estabilizar de forma rápida o microbismo. Torna-se necessário, pois, controlar tanto como seja possível todos os outros parâmetros: crescimento das primíparas, estado do efectivo reprodutor, protocolo de vacinação...



Comentários

Encontramo-nos ante um caso de repovoamento de uma exploração que não funcionou de forma ideal. Rapidamente apareceram problemas de diarreias e de entradas em cio. O caso aparece numa exploração de ciclo fechado com 500 mães situada numa zona de alta densidade suína no oeste de França. A exploração utiliza a auto-substituição com a compra de avós e vende primíparas a outra exploração.

No contexto desta exploração, torna-se interessante questionarmo-nos sobre a importância do microbismo e o interesse pela medição da espessura de gordura dorsal.

O repovoamento

No caso do repovoamento de uma exploração, o importante é restabelecer, o quanto antes, o microbismo da mesma.
O repovoamento realizou-se com fêmeas saneadas. É pouco provável, pois, que os problemas reprodutivos e de diarreia estejam relacionados com um agente patogénico específico, além do mais, nenhum sinal clínico preciso permite realizar um diagnóstico claro.

Encontramo-nos frente a uma situação instável:

Primíparas demasiado gordas à entrada na maternidade:
  • problemas no consumo de alimento que leva a uma perda de estado corporal importante,
  • lactação delicada.
Ausência de contaminação das primíparas:
  • animais instáveis e sem protecção desde um ponto de vista imunitário,
  • isto favorece o aparecimento de diarreias nos leitões,
    • caso que leva a uma diminuição do consumo de leite por parte do leitão e em consequência uma diminuição da estimulação das mamas da porca, diminuindo a produção de leite,
    • isto pode também provocar um aumento do risco de retornos precoces ao cio das porcas na maternidade.
Problemas de entradas em cio devidos a:
  • uma perda do estado das porcas na maternidade muito importante e um estado de gordura ao desmame demasiado débil,
  • possíveis entradas precoces em cio na maternidade.


As medidas a tomar têm, pois, dois objectivos principais:

  • melhorar o consumo de raçãoo das porcas na maternidade para poder limitar a perda de estado das porcas,
  • favorecer ao máximo a contaminação para poder estabilizar o mais rapidamente o efectivo reprodutor.


Avaliação do estado das porcas: interesse pela medida da espessura de gordura dorsal

Medir a espessura de gordura dorsal permite avaliar o estado corporal das porcas. Frquentemente é difícil determinar quais são as normas a respeitar já que existe uma variabilidade natural entre as porcas. Contudo, fixar as normas é necessário para poder estabelecer objectivos claros focados para alcançar o estado ideal das porcas.

O aspecto mais importante das medidas de EGD não é o valor em si mesmo mas sim a evolução do estado em diferentes momentos. É importante que as medidas de EGD se realizem sempre pela mesma pessoa e com o mesmo aparelho para poder assim minimizar os factores de variação.

Os momentos estratégicos para medir a EGD são:

  • entrada na maternidade,
  • desmame,
  • controlo de gestação por ecografia.

Estas medidas devem permitir avaliar a perda de estado das porcas na lactação e a recuperação do estado após a inseminação artificial.

As normas de espessura de gordura são difíceis de definir para uma exploração. Em todo caso, devem ter-se em conta vários factores:

  • consumo das porcas na maternidade,
  • perda do estado das porcas,
  • entradas em cio.

Fixarem-se normas pode permitir facilitar o maneio da exploração ajustando melhor o agrupamento das porcas, em particular após o desmame (fase importante no maneio das porcas em grupo).

Casos Clínicos

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags