Leia este artigo em:

Reaparecimento de surto de DESv

Em Maio de 2013 uma exploração de porcas no Indiana (EUA) sofreu um surto de DESv. A meados de Março de 2014, apareceu diarreia nas baterias e na engorda. Na semana seguinte diagnosticou-se a mesma estirpe (homologia de 99,9 %) e o vírus passou para a maternidade.

2ª feira 27 Outubro 2014 (há 4 anos 21 dias)
gosto

Surto de DESv, Maio de 2013

Em Maio de 2013 uma exploração de porcas no Indiana (EUA) teve um surto de DESv, pelo que se decidiu expor toda a exploração (incluindo as marrãs de reposição própria que estavam nas baterias e na engorda) ao vírus vivo (feedback). Perdeu-se a produção de 3,6 semanas num período de 8 semanas. O acompanhamento mediante coprologia (30 ninhadas semanais durante 4 semanas consecutivas de resultados negativos – Morrison et al, 2013) completou-se com êxito em Setembro de 2013.

Granja

Durante este tempo, as marrãs de reposição mantiveram-se no sítio (multiplicação interna) e foram potencialmente expostas ao vírus nas baterias e na engorda. Uma vez completadas as 4 semanas consecutivas de coprologias negativas, recolheram-se amostras de fluidos orais tanto nas baterias como na engorda, demonstrando que estas zonas também se tinham negativizado ao DESv (Outubro de 2013).

Os 6 meses seguintes de produção foram bons (mais 102% dos que os desmamados conseguidos anteriormente) com pouquíssimos sinais de diarreia (de qualquer tipo) em toda a exploração.

Tabela 1. Resultados de DESv – PCR de amostras fecais (F) e intestinos (Int).

Semana do surto Dias do surto Semana de produção Data 6000 porcas
1 7 19 5 a 11 de Maio Pos – F & Int
2 14 20 12 a 18 de Maio Pos – Int
8 56 26 23 a 29 de Junho Pos – Int
10 70 28 7 a 13 de Julho Pos – F
14 98 32 4 a 10 de Agosto Pos – F
15 105 33 11 a 17 de Agosto
16 112 34 18 a 24 de Agosto
17 119 35 25 a 31 de Agosto
18 126 36 1 a 7 de Setembro Neg – Zaragatoa

Outubro de 2013 - Resultados da IFA e fluidos orais

  • 6,000 porcas – 30 amostras - 90% das quais foram IFA positivas.
  • Passaram mais de 120 dias entre a infecção e as análises.
  • Os fluidos orais foram recolhidos nas baterias e na engorda – foram negativos a DESv por PCR

Reaparecimento do surto de DESv, Março de 2014

A meados de Março de 2014, observou-se diarreia nas baterias e na engorda. Na semana seguinte diagnosticou-se DESv com a mesma estirpe(homologia de 99,9 %) e o vírus passou para a maternidade. Voltou-se a exponer toda a exploração ao vírus vivo.

  • Reaparecimento do surto
    • 12 de Março de 2014 – algumas diarreias nas baterias
    • 18 de Março de 2014 – muitas diarreias na engorda
    • 26 de Março de 2014 – decide-se re-expor toda a exploração

As nulíparas foram os únicos animais que responderam clinicamente à re-exposição. As porcas pareciam imunes ao desafio, mas não nos preocupámos demasiado com elas já que assumimos que teriam imunidade sistémica e que as nulíparas do pavilhão de reprodução poderiam, ou não, ter estado expostas ao DESv nas baterias ou engorda, no período entre Julho e Outubro de 2013, ainda que as nulíparas de antes de Julho seguramente teriam estado expostas ao DESv.

Na maternidade, durante as 2 semanas seguintes, o DESv só pareceu afectar as ninhadas de porcas de primeiro e segundo parto com uma mortalidade de 70% e 50% respectivamente. Nas semanas seguintes o vírus espalhou-se por todas as ninhadas.

As perdas, segundo o número de parto, apresentam-se no gráfico 2 e a comparação com o surto anterior no 3:

Comparación de la media de destetados con la media de las 52 semanas previasGráfico 1: Comparação da média de desmamados com a média das 52 semanas anteriores

Mortalidad predestete por número de parto - 9 semanasGráfico 2: Mortalidade pré-desmame por número de parto - 9 semanas.

Mortalidad pre-destete por número de parto, semana 9 vs el brote previoGráfico 3: Mortalidade pré-desmame por número de parto do surto actual (9 semanas) relativamente ao surto anterior de DESv.

À medida que passa o tempo, as perdas por número de parto torna-se mais consistentes, o que significa que o DESv afectou todas as porcas por volta das semanas 11 e 12.

Resumo:

Para mim os pontos chave são:

  1. Este caso passou-se apenas numa exploração pois as nossas outras explorações não tiveram reaparecimento de surto.
  2. O DESv pode reaparecer após 6 meses de ausência clínica.
  3. Desconheço se se trata de uma recrudescência ou de uma re-exposição.
  4. Ainda que confiei que o feedback às nulíparas as imunizaria e seria capaz de proteger as suas ninhadas, hoje não estou tão seguro (isto tem implicações sobre as estratégias de adaptação das nulíparas).
  5. Pese a que a grande experiência do pessoal em como lidar com o DESv, boas instalações e protocolos sanitários, o vírus ficou crónico nesta exploração.

O meu objectivo ao partilhar este caso é:

  1. Advertir que o DESv pode reaparecer,
  2. Que há oportunidades de investigação sobre imunidad lactogénica especialmente nas primíparas e que,
  3. por causa destas situações crónicas e recorrentes, temos ainda maior necessidade de uma vacina.

Artigos relacionados

Casos Clínicos

Intoxicação por alcalóides em porcos de engorda09-Dez-2014 há 3 anos 11 meses 8 dias

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags