Leia este artigo em:

Possível caso de Sindroma da Falha do desenvolvimento peri-desmame (PFTS)

Nos últimos 4 lotes de desmamados, cerca de 3 % dos leitões estavam anorécticos e letárgicos. Todos os tratamentos aplicados falharam (injecções de amoxicilina ou florfenicol) e finalmente os leitões morreram.

2ª feira 23 Junho 2014 (há 4 anos 4 meses 22 dias)
gosto

Introdução

Ligaram-nos em Outubro de 2011 devido a uma redução importante do crescimento e a um aumento da mortalidade em leitões entre os 25-38 dias de vida.

Os problemas sanitários são comuns nesta fase (colibacilose, artrite), mas é a primeira vez que o suinicultor vâ aparecer tão rapidamente uns sintomas clínicos tão severos.

Descrção da exploração

Trata-se de uma exploração de 880 porcas localizada numa zona de grande densidade suína, na Bretanha francesa. Os leitões transferem-se às 10 semanas e engordam-se noutros 3 sítios.

Esta exploração encheu-se há 2 anos, com fêmeas de substituição procedentes de uma exploração com um estatuto sanitário muito elevado.

Todas as fêmeas são cobertas mediante inseminação artificial com sémen produzido na própria exploração. Há 20 lotes, com partos semanais, e os leitões desmamam-se com uma média de 21 dias de vida.

O pessoal da exploração consta de um encarregado e 3 trabalhadores. Os 4 são extremamente rigorosos relativamente à biossegurança, tanto interna como externa.

Estatuto sanitário em Outubro de 2011:

  • PRRSV: negativo desde que se encheu a exploração
  • Actinobacillus pleuropneumoniae (serotipos 2 y 1-9-11): negativo
  • Aujeszky: negativo
  • Mycoplasma hyopneumoniae: negativo desde que se encheu a exploração
  • Haemophilus parasuis: positivo tanto nas nulíparas como nos leitões

Profilaxia:

  • Parvovirus suíno (nulíparas e porcas)
  • Mal rubro (nulíparas e porcas)
  • Infecções por clostrídios e coliformes (nulíparas e porcas)
  • PCV2 (nulíparas e porcas)
  • Ivermectina (nulíparas e porcas)

Situação em Outubro de 2011

Visita à exploração

♦ Quarentena: A quarentena está isolada do resto da exploração e nela é praticado o TD/TF. As porcas de reposição são procedentes do mesmo núcleo desde que se encheu a exploração. Houve uns casos de Glasser nas nulíparas após a entrega, mas parece que o problema está controlado desde há vários meses. Não se verificam problemas clínicos durante a visita, nem o encarregado comenta nada.

♦ Gestação: A taxa de fertilidade é bastante boa: 91 % durante os últimos 6 meses. Não se observam sinais clínicos durante a visita nem o suinicultor comenta nada.

♦ Sala de partos: O resultado dos 5 meses prévios à visita apresentam-se na seguinte tabela, em comparação com os dados de referência das explorações francesas.

A exploração 01/06/2011 - 14/10/2011 As 33 % melhores explorações francesas em 2010 As 10 % melhores explorações francesas
Desmamados/porca/ano 31,2 30,4 31,6
Nascidos totais/porca 14,52 14,5 14,7
Nascidos vivos/porca 13,56 13,5 13,8
Nascidos mortos/porca 0,96 0,9 0,9
Desmamdos/ninhada 12,19 12 12,3
% de nascidos mortos 6,6 % 6,4 % 6,1 %
% de perdas na lactação 10,1 % 11,6 % 10,6 %

Nem se observam problemas clínicos durante a visita à maternidade, nem o suinicultor os menciona.

Baterias: Durante o primeiro ano após o enchimento da exploração, tivemos problemas de artrites nos leitões desmamados causados por Haemophilus parasuis. No momento desta visita, o problema estava sob controlo, mediante um tratamento de amoxicilina na água (20 mg/kg p.v. /dia durante 5 dias após o desmame).

Durante os 3 meses precedentes tivemos que tratar problemas de E. Coli, a maioria dos casos entre os 23-27 e os 40-45 dias de vida. Administram-se dois tratamentos com colistina (3,3 mg/kg p.v./dia durante 5 dias) aos leitões destas idades.

Para reduzir o uso de antimicrobianos, o suinicultor tinha começado a utilizar um produto secante no solo e nos comedouros desde o desmame até aos 50 dias de vida. Este produto contém óxido de zinco, mas não pudemos obter a composição exacta no dia da visita.

O suinicultor comentou que, nos últimos 4 lotes de desmamados, cerca de 3 % dos leitões estavam anorécticos e letárgicos. Todos os tratamentos que aplicou falharam (injecções de amoxicilina ou florfenicol) e finalmente os leitões acabaram por morrer.

Lechones anoréxicos y letárgicos durante la visita

Leitões anorécticos e letárgicos durante a visita.

Diagnóstico diferencial

Hipóteses A favor Contra
PCV2 (PMWS) Falta de crescimento
Mortalidade
Estado fisiológico
Muito bom maneio (colostro, misturas mínimas na lactação e após o desmame)
PRRSv Falta de crescimento
Mortalidade
Sem sinais respiratórios
Sem sinais reprodutivos nas porcas
E coli Historial recente da exploração
Falta de crescimento
Não se observa diarreia nem desidratação nos leitões afectados
Glasser Historial recente da exploração
Falta de crescimento
Sem sinais respiratórios
Sem artrites
Sindroma da
falha do desenvolvimento peri-desmame (PFTS)
Falta de crescimento
Mortalidade
Estado fisiológico
Raro
Não descrito na Europa no momento da visita

Diagnóstico laboratorial

Em Novembro de 2011 levaram-se a cabo algumas análises, uns dias após o início do surto:

  • Análise serológica para detectar PRRSv em vários lotes de desmamados: amostras de 10 leitões de 4, 6, 8 e de 10 semanas de idade, respectivamente. Todas as amostras foram negativas.
  • No mesmo dia em que se recolheram as amostras para o diagnóstico de PRRS sacrificaram-se, na própria exploração, dois leitões afectados. Não se observaram lesões de infecção por E coli nem por Haemophilus parasuis.
  • Também se enviaram dois leitões peludos, com anorexia, debilidade e caquexia, para o laboratório local, onde se sacrificaram e necropsiaram para determinar o agente causal da doença (centrando-se em PMWS e PFTS):
    • Lesões macroscópicas:
      • Timo atrofiado
      • Tracto digestivo: vazio
      • Fígado pálido
      • Rins pálidos
    • Lesões microscópicas:
      • Cornetos nasais: infiltração linfoplasmocítica multifocal da mucosa
      • Timo: atrofia, mas sem lesões específicas associadas
      • Estômago: infiltração linfocítica multifocal da mucosa
      • Intestinos: numerosas agrupações bacterianas; as vilosidades do intestino delgado estão atrofiadas
Conclusão

Enterite regenerativa que pode fazer pensar numa antiga infecção viral e na presença de criptosporídios dentro das lesões; atrofia considerável do timo; lesões moderadas de rinite, gastrite e colite.

Segundo o anatomopatólogo que analisou as amostras, as lesões microscópicas poderiam sugerir um PFTS mas descartariam o PMWS.

Que sabemos actualmente do Sindroma da falha do desenvolvimento peri-desmame (PFTS)?

Sinais clínicos

Sabemos pouco sobre o PFTS, as publicações são recentes.

Definição desta condição clínica [Huang et al. 2011]: “O PFTS caracteriza-se clinicamente pela debilitação progressiva dos leitões desmamados em ausência de factores prejudiciais perceptíveis, como os infecciosos, nutricionais, de maneio ou ambientais, que possam explicar o sindroma clínico. Ao desmame, o peso corporal dos porcos afectados está acima da média e, nem os porcos afectados nem os seus companheiros mostram evidências de ter estado doentes na lactação. Nos 7 dias seguintes ao desmame, os leitões afectados estão anorécticos e letárgicos. Deterioram-se e, entre 2 e 3 semanas após o desmame apresentam uma debilidade muscular evidente e perda de condição corporal. Em todas as explorações afectadas, alguns dos leitões mostram comportamentos orais repetitivos como lamber, mastigar ou morder. Nas explorações afectadas, a morbilidade e a mortalidade por lote variam ao longo do tempo, mas a letalidade é elevada.”

Os sintomas clínicos observados com maior frequência descrevem-se na tabela 3.

Tabela 3: Sintomas clínicos e alterações patológicas observadas com maior evidência em casos de PFTS

Sinais clínicos Alterações patológicas
Anorexia Rinite activa crónica
Letargia Gastrite fúndica linfocitária superficial
Em pé, mas sem vontade a se moverem Enterite atrófica
Espirros Colite superficial
Comportamentos orais repetitivos Atrofia do timo

Os sinais clínicos e as alterações patológicas observadas no nosso caso apresentam-se a encarnado.

Etiologia

Actualmente desconhece-se a etiologia do PFTS. Suspeita-se de agentes infecciosos, factores não infecciosos ou ambos [Huang et al., 2011].

No nosso caso, as nossas suspeitas centraram-se no uso massivo do produto secante ao desmeme, devido a que foi concomitante com o surto de observações clínicas.

Decidimos recolher uma amostra do produto e enviá-la para um laboratório químico para tentar detectar alguns elementos como arsénico e chumbo porque eu já tinha ouvido falar sobre este tipo de contaminantes nalgumas fontes de óxido de zinco. Os resultados da análise apresentam-se na tabela 4.

Tabela 4: Análise de uma amostra do produto secante (metais pesados / oligoelementos)

Cádmio mg/kg < 0,50
Mercúrio mg/kg < 0,02
Chumbo mg/kg 6,78
Arsénico mg/kg 7,71

Explicação “<”: não detectado, abaixo do limite de quantificação

Acções propostas e evolução

O suinicultor utilizou este produto secante em grandes quantidades para secar o solo mas também para prevenir a colibacilose, devido à grande quantidade de óxido de zinco que levaba.

Como se suspeitou de que este produto podia ser o agente etiológico, pedimos-lhe que deixasse de o utilizar e foi substituido por outro suplemento dietético que continha minerais, vitaminas e óxido de zinco (de uma fonte alimentar de qualidade).

Duas semanas depois de deixar de o utilizar, deixaram de se observar sinais de PFTS.

Discussão

O PFTS deve fazer parte do diagnóstico diferencial quando nos enfrentamos com anorexia, caquexia, debilidade e mortalidade em leitões desmamados.

O diagnóstico pode realizar-se facilmente graças à combinação de sinais clínicos e histologia de vários órgãos (especialmente timo, tracto digestivo e cornetos nasais) mas deve avisar-se o laboratório da suspeita para que use as amostras apropriadas.

A parte mais complicada é identificar a etiologia. As doenças infecciosas podem ser responsáveis por este sindroma, ainda que não fosse, provavelmente, o nosso caso.

Aqui, o uso de um produto não comestível como um suplemento nutricional era muito suspeito, pelos elevados níveis de chumbo e arsénico na sus composição e também pelas várias vias de contacto: orais, nasais e cutâneas.

Não podemos dizer se o produto é responsável pelas observações clínicas devido ao seu sabor (suficientemente desagradável para causar anorexia nalguns leitões) ou por intoxicação (tendo em conta que é impossível quantificar a quantidade ingerida pelos leitões doentes).

Infelizmente não foi possível confirmar esta hipótese porque não mandámos fígados e pulmões dos 2 leitões sacrificados para um laboratório especializado. Como melhorou a clínica ao deixar de utilizar o produto, o gerente não quis gastar mais dinheiro em análises. Contudo, parece muito provável já que não se produziram mais casos clínicos desde que se deixou de utilizar.

Este quadro clínico de PFTS numa exploração francesa livre de PRRSv completa a recente, e primeira, observação de PFTS na Europa [Segalés et al. 2012]. Neste artigo sublinham-se as dificuldades para excluír PRRSv como agente causal ou relacionado com a patologia, devido à elevada prevalência de PRRS em Espanha. A nossa observação confirma que o sindroma não está necessariamente relacionado com uma infecção viral.

Casos Clínicos

Problemas respiratórios e reprodutivos numa exploração28-Mai-2014 há 4 anos 5 meses 17 dias

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags