Leia este artigo em:

Pneumonias com elevada mortalidade na engorda

Uns 15-20 dias após a entrada na fase de crescimento, notava-se o aparecimento de tosse generalizada e uma perda de peso. A morbilidade era de quase 30 % e a mortalidade da fase de 4-6 %.

Descrição da exploração

A exploração tem 1000 porcas em ciclo fechado e está situada em Itália, numa zona de alta densidade suína. Os porcos são enviados para o matadouro com 168 kg com, pelo menos, 9 meses de idade segundo as normas de produção do Consorzio del Prosciutto di Parma e San Daniele. A exploração produz a sua própria reposição com um núcleo de avós. O maneio é em bandas semanais e o desmame é feito aos 21 dias de idade. Tanto nas baterias como na engorda se utiliza o maneio tudo dentro/tudo fora. Por outra lado, a capacidade do local de crescimento, que aloja os animais entre 20 – 40 kg, é suficiente para que os lotes não se misturem entre si. Ambos locais têm o solo com slat total. Na engorda, onde os animais entram aos 40 kg, o solo é sólido e os animais distribuem-se em múltiplas salas. A alimentação nas baterias é seca e ad libitum, enquanto que na fase de crescimento e engorda é líquida, fornecida 3 vezes por dia.

Engorde

Estado sanitário

A exploração é positiva a PRRS, Aujeszky, Mycoplasma hyo e PCV2 e negativa a enterite necrótica e rinite atrófica.

Programa de medicação e vacinação dos reprodutores: vacinação em grupo 3 vezes por ano contra parvovirus, Aujeszky e PRRS. As marrãs também são vacinadas contra micoplasma. Todos os reprodutores são tratados, 3 vezes por ano, com ivermectina via ração.

Porcos: a vacina contra micoplasma é única e a de Aujeszky administra-se em 3 doses, aos 60, 85 e 170 dias de vida. O tratamento para o controlo da colibacilose e a estreptococia à entrada das baterias é composta por amoxicilina (400 ppm ), colistina (120 ppm) e óxido de zinco (300 ppm) durante 10 dias, seguido de outros 10 dias com florfenicol (200 ppm) e colistina (120 ppm). Durante a fase de crescimento não são vacinados.

Aparecimento do caso

Os leitões estavam normais durante o desmame, com perdas moderadas (2%), mas uns 15-20 dias após a transferência, na fase de crescimento, era visível o aparecimento de tosse generalizada e uma perda de peso. A morbilidade era de quase 30 % e a mortalidade da fase de 4-6 %. Esta situação era praticamente crónica no crescimento e sempre se tinha atribuído a uma recirculação de PPRS. Na fase posterior ao crescimento, ou seja na engorda, os problemas eram de tipo entérico, com uma certa mortalidade, mas dentro dos parâmetros normais da exploração (3%).

suinetti morti

Visita à exploração

Verificou-se o que tinha contado o produtor. Também se notou na fase de crescimento, o que motivou a chamada, a presença de alguns casos de diarreias, escuras mas não muito extensas. A tosse estava presente em animais de 75-95 dias de idade, com alguns exemplares prostrados em estado febril. Durante a visita não se encontraram animais mortos.

Polmonite accompagnata da pleurite

Fotos 2 e 3: Pneumonia acompanhada de pleuresia.

Pediu-se ao produtor que telefonasse se aparecessem animais mortos, para realizar uma necropsia, o que sucedeu alguns dias depois. Na necropsia evidenciou-se uma bronco-pneumonia com presença de lesões compatíveis com micoplasma, pneumonia intersticial e pleuresia difusa com indícios de complicações bacterianas. Enviaram-se os pulmões para o laboratório para determinar os agentes causais. A suspeita era de PRRS com complicação bacteriana. A exploração realizava análises semestrais por idade para observar as possíveis variações da dinâmica de infecção dos vírus em circulação na exploração, PRRS e PCV2, que frequentemente produziam reduções do rendimento. Efectuou-se paralelamente uma análise serológico de um grupo de animais, 8 por cada franja de idade: 6, 9, 14, 20 e 26 semanas com o objectivo de identificar o momento em que se produzia a virémia. Segundo a resposta do laboratório recomendou-se o uso de um antibiótico (clortetraciclina 200 ppm) e um anti-infiamatório (paracetamol 600 ppm). Durante a visita realizou-se a necropsia de um animal morto subitamente na engorda com um peso vivo de 80 kg, que evidenciou alterações de tipo necrótico na parede do colón.

Polmonite

Tabela 1. Análise serológico

animais Idade
(semanas)
Presença
sintomas
PRRS
PCR (+)
2 pool de 4
PCV2
PCR (+)
2 pool de 4
Mycoplasma
Elisa (+)
8 6 Não 2/2 0/2 0/8
8 9 Sim 2/2 2/2 4/8
8 14 Sim 2/2 2/2 1/8
8 20 Sim 0/2 2/2 7/8
8 26 Sim 0/2 2/2 6/8

Resultados de laboratório

  1. Análises bacteriológicas: isoamento de Salmonella cholerasuis de pulmõs e intestino; e presença de Brachispira pilosicoli no intestino (PCR).
  2. Análise virológica: positividade para PRRS (PCR) e circovirus (PCR).
  3. Antibiograma: sensibilidade a aminosidina, flumequina, gentamicina, amoxicilina.

Medidas adoptadas

Com o diagnóstico de laboratório e as observações de campo decide-se tratar todos os animais da fase de crescimento medicando através da sopa contra a salmonelose com aminosidina (12,5 ppm) durante 15 dias.
Durante o vazio sanitário limparam-se também as fossas, coisa que não se tinha feito anteriormente. Uma vez limpas, foram polvilhadas com cal viva que foi imediatamente retirada com água. Cada sala manteve-se vazia durante 40 dias.

Tratamento e evolução

Após quase duas semanas não se observou nenhuma melhoria, pelo que se decidiu tratar a sopa com flumequina (60 ppm) e tiamulina (100 ppm). O uso de alimento líquido dificulta a separação dos animais em grupos, pelo que se decidiu tratar toda a fase de crescimento.

Após quase 3 meses decide-se realizar o tratamento só na primeira fase de crescimento (15-20 dias), deixando sem tratamento a segunda metade (outros 15 -20 dias). Após algumas semanas, esta acção demonstrou-se ser negativa, com reaparição de sintomas clínicos, pelo que se retomou a medicação durante todo o crescimento. Esta estratégia comportou uma melhoria geral do rendimento (crescimento, conversão e mortalidade) que continua até ao dia de hoje, ainda que continuem a estar presentes os virus de PRRS e PCV2 na fase de crescimento. Por agora não se isolaram mais estirpes de Salmonella cholerasuis, e a sintomatologia clínica não se voltou a apresentar.

Comentário

  • Pese a presença de circulação viral de PRRS e Circovirus concomitantemente ao problema sanitário, a mortalidade e os atrasados eram devidos à infecção secundária por Salmonella.
  • Não se suspeitou de imediato de salmonela devido à falta de sintomatología intestinal evidente: o problema principal era de tipo respiratório. O género cholerasuis de salmonela é muito invasivo e vai facilmente em circulo; neste caso não havia colonizado o intestino de um modo importante; outro sintoma típico, a cianose, também não estava presente.
  • Hoje a exploração continua com o protocolo de limpeza e desinfecção do ambiente e das fossas (cal) durante os vazios de cada sala.

Conclusões

1. A presença constante de circulação viral de PRRSV pode induzir a infra-avaliar outros agentes patogénicos que podem ser a verdadeira causa da moralidade.
2. A dose e continuidade do tratamento devem ser avaliados cuidadosamente.
3. O “retrocesso” da doença não tem porque implicar uma paragem imediata do tratamento.

Casos Clínicos

Episódio de abortos30-Nov-2011 há 6 anos 11 meses 17 dias
Peri-weaning failure-to-thrive syndrome04-Jul-2011 há 7 anos 4 meses 12 dias

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags