APP - Pneumonia na engorda

Receber reposição de várias origens pode ser um factor para a entrada de doenças na nossa exploração. Foi o que ocorreu neste caso

2ª feira 7 Agosto 2006 (há 11 anos 10 meses 12 dias)

Descrição da Exploração

A exploração encontra-se situada no Vale do Pó, em Itália, no meio da planície padana, uma região eminentemente agrícola do norte de Itália, com uma alta densidade de porcos. Até Janeiro de 2005, a exploração contava com 450 porcas em ciclo fechado alojadas em jaulas até ao dia 35 de gestação e depois em grupo. Lembramos que, em Itália, o abate se realiza sobre os 160 kg de peso vivo, podendo oscilar entre os 156 e os 170 kg de peso vivo.

Devido a uma grande crise estrutural do sector suinícola neste período, a exploração esvaziou-se completamente. Os novos donos transformaram-na numa exploração de engorda. As jaulas utilizam-se para recuperar animais atrasados e os parques foram reconvertidos em parques de engorda.

Estas instalações são de obra e dispõem de um pátio exterior com solo de slat (20 % da superfície).


A capacidade actual é de 4.500 porcos de engorda.

K
(900 )
M
(900 )

H
(600)
D
(500)

G
(600)
F (90)
C
(500)
E
(600)

O sistema de alimentação é automática e sob a forma líquida, com uso de soro de leite a uma diluição 1:4, distribuída duas vezes por dia. A ventilação é natural com chaminé e janelas laterais. Os bebedouros são tipo chupeta.

As rações são produzidas na exploração com uma mistura de 30 % de milho, cevada e trigo. Há dois tipos de ração: I) 40-100 kg e II) 100-160 kg. Todas as engordas entram no circuito da produção de presunto de Parma e San Daniele. A exploração está preparada para receber animais de 40 kg de peso vivo. À chegada recebem ração seca durante 3-4 semanas, quando começam a receber a alimentação líquida, e apenas numa semana, realiza-se a transição completa para a ração líquida.

De acordo com o veterinário decidiu-se que o fornecedor dos porcos seja único e que possa cobrir as necessidades da exploração relativamente ao número de porcos necessários para garantir um fluxo continuo de animais para o matadouro.


Aparecimento do Problema e Soluções Adoptadas

A introdução de porcos iniciou-se a 24 de Julho de 2005. Ao contrário do que estava previsto, o proprietário queria encher a exploração rapidamente e comprou animais de três origens distintas.

Data
Origem Número Pavilhão
24-07-05
1 600 K
26-08-05
1 500 C
26-08-05
2 290 D
14-09-05 3 650 E

Até meados de Outubro a situação era muito boa, com poucas baixas e pouca necessidade de tratamentos individuais.

4 semanas após a última entrada de porcos, quando a exploração tinha cerca de 2.000 porcos no total, começaram alguns problemas respiratórios nos porcos que entraram primeiro no pavilhão D, procedentes da origem 2, que nunca tinham apresentado problemas anteriormente e que já estavam há 50 dias na exploração.

Aumentaram as baixas e os tratamentos individuais. Pouco tempo depois, os animais da origem 1 também ficaram doentes.

Os sintomas eram dispnea, tosse, descargas nasais, febre, perda de apetite, diarreia ocasional, baixas repentinas de porcos em bom estado e baixas de animais doentes.

As entradas são diferentes por origem e por cor.

Expl. 1 Expl. 2 Expl. 3

K
(900 )
M
(900 )

H
(600)
D
(500)

G
(600)
F (90)
C
(500)
E
(600)




Visita à Exploração

Iniciou-se a recolha de informações como:

- Inicio do aparecimento do problema
- Necropsia de animais mortos
- Envio de pulmões para o laboratório
- Análises de baixas e de morbilidade segundo a origem.

As seguintes entradas realizam-se do seguinte modo:

Data
Origem Número Pavilhão
29-09-05
1 600 G
27-10-05
1 550 H

Expl. 1 Expl. 2 Expl. 3

K
(900 )
M
(900 )

H
(600)
D
(500)

G
(600)
F (90)
C
(500)
E
(600)

Os problemas continuam e também os últimos porcos, entrados em 29/09 e em 27/10, adoecem e apresentam os mesmos sintomas respiratórios.


Resultados

Análises de baixas e tratamentos individuais.

Baixas (%) Tratamentos individuais (nº / dia)
Antes de aparecerem os problemas
1,25 6-10
Depois de aparecerem os problemas 8,1 40-50

As baixas são diferentes segundo a origem:


A necropsia de 4 animais evidencia edema pulmonar difuso, pleuropneumonia necrótica, hemorragia, pericardite, gastrite, enterite, aumento dos gânglios inguinais.

O diagnóstico laboratorial é pleuropneumonia causada por Actinobacillus pleuropneumoniae (isolamento) serotipo 9; PRRS (PCR e Circovirus (PCR).

O antibiograma mostra sensibilidade a muitos antibióticos como amoxicilina, cloranfenicol ou doxicilina.


Diagnóstico e Medidas Tomadas

O diagnóstico não era difícil, o laboratório só confirmou o diagnóstico que se presumiu. Inicialmente medicou-se a ração com amoxicilina durante 7 dias. Após 5 dias de tratamento não se observou nenhuma melhoria e mudou-se a medicação para doxiciclina, que foi utilizada no alimento líquido durante todo o período crítico da doença: 5-6 semanas em todos os animais de 40 a 100 kg de peso vivo. O problema parecia não responder às medicações. O tratamento na água não era possível porque não dispõem de uma instalação para medicação na água. Além de que, numa infecção em que o App está presente as medicações via ração costumam chegar tarde, já que por muito que corramos o tratamento só se realiza quando já se produziram muitas baixas. O problema estabilizou após 40 dias.

Durante a primeira semana, nos grupos com sintomatologia, injectavam-se todos os animais com antibióticos aos que eram sensíveis segundo o antibiograma. Os animais muito doentes eram retirados do grupo, e naqueles grupos em que os porcos não comiam ao segundo dia, injectavam-se pela segunda vez. Todos os porcos com dispnea grave também eram injectados com córticos. Deste modo controlaram-se as baixas, pese a que os níveis continuavam a ser altos. Os sintomas diminuíram muito lentamente, tal como as baixas (dezenas de animais na primeira semana, alguns baixas na segunda e terceira semanas e normalização a partir da quarta).


Comentários

Uma exploração de ciclo fechado de 450 porcas é reconvertido numa engorda de 4500 lugares. Durante a reconversão realizou-se um esvaziamento completo da exploração.

Inicialmente decidiu-se que o abastecimento de animais se faria a partir de uma única origem, mas afinal acabou por não suceder assim, e a exploração recebeu animais de 3 origens diferentes de forma escalonada. Dois meses e meio depois de começar a encher a exploração (4 semanas depois da última entrada), alguns dos animais ficaram doentes apresentando sintomas respiratórios e entéricos, vendo-se afectados em distintos graus segundo a sua origem.

Logicamente este problema tem uma causa infecciosa, ainda que a origem principal é o não ter respeitado a decisão de uma entrada de animais de uma única orige.

Os animais da exploração 3, a última origem de entrada, foram os que introduziram os agentes bacterianos e virais que causaram o surto. Na realidade são os animais que registaram menos problemas já que dispunham de imunidade contra os patogénicos em questão.

A exploração 2 foi a origem de onde entrou um menor número de animais, provavelmente era a que tinha porcos mais sãos e menos protegidos. Como consequência, foi o grupo que apresentou mais baixas.

A origem 1 era a que tinha animais geneticamente mais resistentes e apresentaram menos problemas que os animais da origem 2, ainda assim os animais deste grupo adoeceram e o número de baixas foi importante. A última entrada procedente desta origem, coincidiu com o aparecimento do surto, e também resultou afectada.

Esta exploração teve a oportunidade única de conseguir bons resultados ao arrancar de uma situação de despovoamento total. O erro de querer encher a exploração demasiado rapidamente comportou uma mistura de animais de diversas origens e também de gérmes, uma situação sanitária muito perigosa. Neste caso não se trata de um simples caso de pneumonia, mas sim de uma má gestão da exploração. Hoje o proprietário só compra animais da origem 1, ainda que o problema não tenha terminado já que todos os animais que chegam podem adoecer de APP, já que ficou endémica na exploração, até um novo despovoamento.

Casos Clínicos

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags