Leia este artigo em:

Podem ser aplicados princípios de produção em camping numa exploração intensiva? Limpeza e desinfecção (I/II)

Apesar de suas limitações, a produção em camping é uma maneira diferente de abordar a produção de suínos e possui algumas práticas de maneio que podem levar a reflectir quando tiverem que ser abordado o maneio e desenho de alojamentos em explorações intensivas.

Das 400.000 porcas produtoras no Reino Unido, 40% são criadas em sistemas tipo camping. A maioria delas faz parte de um programa de controlo e auditoria de bem-estar que permite que os produtos de carne tenham o selo RSPCA Assured, garantindo o cumprimento de rigorosos padrões de bem-estar que incluem, entre outros, ter nascido no exterior e ter sido criado em cama de palha até o abate. Estes porcos são pagos entre 6 e 10 pence (7-11 cêntimos) mais por quilo do que aqueles de carcaça convencional.

Tradicionalmente a produção “outdoor” esteve atrás da produção intensiva (“indoor”) quanto a eficiência e valores produtivos. No entanto, nos últimos anos, houve uma importante profissionalização no sector, graças em grande parte às linhas genéticas selecionadas especificamente para o "outdoor" e o investimento de grandes grupos de produtores. Alguns supermercados comprometeram-se a ter toda a sua carne fresca com um certificado RSPCA Assured, criando um mercado muito mais estável para o produtor. Os dados da AHDB de 2017 revelaram que os melhores 1/3 das explorações "outdoor" conseguiram desmamar 26,33 leitões por fêmea por ano, com uma mortalidade de lactação de 11,18%, o que não está muito longe da média de produção intensivo, 26,8 desmamados por porca ao ano e mortalidade de 11,96%.

O maior ponto fraco da criação "ao ar livre" é a impossibilidade de controlar todas as fases do ciclo produtivo. Tem que se confiar na biologia da porca e provê-la com as condições certas para produzir e criar leitões. Apesar de suas limitações, é uma maneira diferente de abordar a produção de suínos e possui algumas práticas de maneio que podem levar a reflectir quando tiverem que ser abordado o maneio e desenho de alojamentos em explorações intensivas.

Limpeza e desinfecção

Seria lógico supor que a falta de higiene, sendo impossível limpar e desinfectar as instalações, poderia ser a causa de pior estado sanitário das porcas e leitões no sistema de camping. No entanto, não é assim. Se as camas forem bem cuidadas e a palha for de boa qualidade, a higiene é muito boa. As explorações são realocadas a cada dois anos, as camas de palha são recolhidas ou queimados após cada desmame e os desinfectantes naturais são aproveitados: sol e secagem.

Ao ter acesso a palha, plantas e terra para fussar, a flora intestinal dos leitões "ao ar livre" ao desmame é muito mais variada e equilibrada do que a dos porcos criados em "slat". Num estudo com ratos, Sudo et al. (2004) descobriram que os ratos livres de germes tiveram maior resposta ao stress e activação do sistema hipotálamo-hipófise-adrenal do que os ratos gnotobióticos ou SPF. Esta resposta aumentada poderia ser parcialmente corrigida pela recolonização da flora bacteriana desses ratos com fezes dos ratos SPF, mas somente se realizada numa fase inicial
.

Condições excessivas de higiene colocam em risco o desenvolvimento da microbiota intestinal normal e do sistema imunitário. Leitões alojados em condições estéreis não têm bactérias no intestino e seu sistema imunitário não se desenvolve. Assim que esses leitões são expostos a um ambiente com bactérias, o intestino é colonizado e o desenvolvimento imunitário é desencadeado. Leitões que mamaram de porcas numa exploração “outdoor” comercial tiveram maior rácio de células T- colaboradoras (T-helper) relativamente a linfócitos inflamatórios e, como consequência, os leitões “outdoor” tiveram menor resposta imunitária à proteína de soja na ração de desmame. Em investigações realizadas na Universidade de Aberdeen e Bristol, foi demonstrado que o ambiente no primeiro dia de vida tem um grande impacto sobre as primeiras bactérias colonizadoras, que tornarão o intestino mais ou menos atraente a grupos bacterianos que chegam, assim, mais adiante. Se se separam leitões de explorações “indoor” e “outdoor” das suas mães com um dia de idade e se misturam num mesmo ambiente limpo e fumigado alojados durante 8 semanas, o sistema imunitário dos porcos “outdoor” reage de maneira muito diferente dos antigénios presentes no ambiente comparado com os “indoor”. A administração de antibióticos em leitões muito pequenos altera completamente a composição dessas primeiras bactérias colonizadoras, o que pode torná-los mais susceptíveis a certas doenças. (Lewis, 2013).

Leitões desmamados que receberam um transplante de microbiota fecal de porcas velhas mostraram menos indivíduos afectados por PCVAD, menor mortalidade e morbidade do que o grupo controlo e níveis aumentados de anticorpos após a co-infecção com PRRS e PCV-2 (Niederwerder et al., 2018).

Não pode ser aconselhado a não limpar as salas de parto, especialmente se houver um problema de diarreia neo-natal. No entanto, talvez devêssemos considerar, em vez de administrar tratamentos com antibióticos, uma combinação de bactérias desejáveis com prebióticos e / ou probióticos como medida preventiva para colonizar o intestino. O problema, por enquanto, é que mais pesquisas ainda são necessárias para identificar qual é a combinação perfeita. Na medicina humana, transplantes da flora intestinal são comuns para colonizar o sistema digestivo com microbiota desejada após a cirurgia.

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags