Leia este artigo em:

Ionização de partículas electrostáticas para diminuir transmissão aerógena de agentes patogénicos

Os objectivos deste estudo foram determinar o efeito do sistema EPI sobre a quantidade e viabilidade de IAV, PRRSV, PEDV e S. aureus nos aerossóis gerados experimentalmente e em aerossóis gerados por animais infectados.

Domingo 16 Julho 2017 (há 4 meses 29 dias)

O vírus da Gripe A (IAV), o vírus do Síndrome Reprodutor e Respiratório Suíno (PRRSV), o vírus da Diarreia Epidémica Suína (PEDV) e o Staphylococcus aureus são agentes patogénicos suínos importantes capazes de se transmitir através de aerossóis. O sistema de ionização de partículas electrostáticas (EPI) consiste numa linha condutora que emite iões negativos que carregam as partículas eléctricamente dando lugar à sedimentação de partículas no ar sobre as superfícies e a uma potencial diminuição do risco de disseminação de agentes patogénicos.

Os objectivos deste estudo foram determinar o efeito do sistema EPI sobre a quantidade e viabilidade de IAV, PRRSV, PEDV e S. aureus nos aerossóis gerados experimentalmente e em aerossóis gerados por animais infectados. Foi avaliada a eficiência na eliminação das partículas em suspensão em função do tamanho das partículas (de 0,4 a 10 μm), da fonte de iões (1, 2 e 3 m) e da humidade relativa do ar (HR= 30% contra 70%). Os aerossóis foram amostrados com o sistema EPI aceso ou apagado.

A eficácia de eliminação foi significativamente maior para todos os agentes patogénicos quando a linha de EPI era a mais próxima da fonte de aerossóis. Houve uma maior redução para as partículas maiores que oscilavam entre 3,3 e 9 μm, variando em função do agente patogénico. A redução total dos agentes patogénicos no ar oscilou entre 0,5 e 1,9 logs. Foram detectados agentes patogénicos viáveis no sistema EPI, mas houve uma tendência para reduzir a quantidade de PRRSV e IAV viáveis. Não houve um efeito significativo sobre a eficácia da eliminação de agentes patogénicos em função das condições de humidade relativa testadas.

Em resumo, a distância à fonte de iões, o tipo de agente patogénico e o tamanho de partícula influiram na eficiência de eliminação do sistema EPI. A redução de agentes infecciosos no ar mediante a tecnologia EPI poderá diminuir potencialmente a exposição microbiana de porcos e pessoas nas explorações pecuárias intensivas.

Alonso, C., Raynor, P. C., Davies, P. R., Morrison, R. B., & Torremorell, M. (2015). Evaluation of an electrostatic particle ionization technology for decreasing airborne pathogens in pigs. Aerobiologia, 1-15. DOI: 10.1007/s10453-015-9413-3

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags