Leia este artigo em:

Dinamarca: não reduzem número de suínos com cauda cortada

O objectivo desta auditoria foi avaliar a adequação e a eficácia das medidas em vigor para evitar mordidas na cauda e evitar o corte das caudas rotineiro de suínos.

2ª feira 16 Abril 2018 (há 8 dias)
IsaLippi

Este relatório conclui que as medidas tomadas pelas autoridades dinamarquesas ainda não conduziram a um melhor cumprimento das disposições da Diretiva relativa aos suínos no que diz respeito à prevenção do uso rotineiro do corte de caudas em suínos.

Um novo rótulo governamental de bem-estar animal levou a um grande aumento nos porcos com caudas intactas, em que a sua carne é destinada ao mercado dinamarquês. No entanto, devido à grande percentagem de carne exportada e de animais vivos, tal não resultou ainda numa redução significativa da percentagem total de corte de caudas em suínos na Dinamarca.

Nos casos em que a autoridade competente forneceu critérios de conformidade claros, juntamente com acções focalizadas, isso trouxe melhorias no bem-estar animal, tais como materiais de enriquecimento e cuidados com porcos doentes e feridos. No entanto, os critérios de conformidade para a aplicação de outros requisitos legais relacionados aos factores de risco de mordida de cauda são menos claros ou ausentes e, portanto, a aplicação desses requisitos é menos consistente.

As autoridades estão a trabalhar actualmente na implementação de novas directrizes e esperam que os criadores avaliem os factores de risco de mordedura de cauda. Se essas directrizes estabelecerem critérios claros para os inspectores poderem avaliar as evidências de lesões na cauda e orelha na exploração e o que constitui medidas suficientes dos agricultores para alterar as condições ambientais ou sistemas de maneio inadequados antes de recorrer ao corte das caudas de porcos, eles poderiam ter uma base para uma estratégia de fiscalização útil para reduzir essa necessidade.

O grande número de suínos de 30 kg exportados para outros Estados-Membros que apenas comprarão porcos com caudas cortadas representa um desafio para as autoridades competentes para alterar as práticas em efectivos de porcas que fornecem este comércio. No entanto, esta não pode ser uma explicação para a continuação do corte de caudas em porcos que vão para efectivos na Dinamarca, que fornecem suínos aos matadouros dinamarqueses. Estes efectivos com suínos para abate continuam a apresentar um elevado nível de incumprimento, o que indica que a autoridade competente não tomou medidas suficientes para garantir normas de bem-estar para a parte da produção de suínos inteiramente sob o seu controlo. É possível progredir no sentido de evitar o corte de caudas de rotina em suínos onde os porcos nascem, crescem e terminam na Dinamarca.

Como quase metade dos porcos desmamados dinamarqueses são exportados para outros Estados-Membros, é necessário garantir que os receptores intervenham em paralelo, caso contrário, tal continuará a ser uma razão para a Dinamarca não parar o corte de caudas.

Abril 2018/ DG Santé/ União Europeia.
http://ec.europa.eu/food/

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags

Última hora

Um boletim periódico de notícias sobre o mundo suinícola

Não estás inscrito na lista

20-Abr-201813-Abr-201806-Abr-201829-Mar-2018

faz login e inscreve-te na lista

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui