Leia este artigo em:

Efeito das dietas com baixo conteúdo proteico para porcos pesados

O objectivo do presente trabalho foi avaliar se as dietas de baixo conteúdo em proteína, balanceadas para obter o perfil ideal de AA e formuladas para a engorda de porcos pesados, apresentam algum efeito sobre a qualidade do presunto curado.

5ª feira 21 Dezembro 2017 (há 1 meses 1 dias)

Os beneficios de utilizar aminoácidos (AA) sintéticos e minimizar o conteúdo de proteína nas dietas para reduzir a carga ambiental da produção suína são evidentes. No entanto, esta estratégia poderá afectar a actividade proteolítica do músculo e, ainda que seja necessário um certo nível de actividade proteolítica para desenvolver os rasgos sensoriais característicos de um presunto curado em seco, podem aparecer problemas associados com uma proteólise excessiva. A influência destas estratégias dietéticas sobre as enzimas proteolíticas musculares raramente foi estudada.

O objectivo do presente trabalho foi avaliar se as dietas de baixo conteúdo em proteína, balanceadas para obter o perfil ideal de AA e formuladas para a engorda de porcos pesados, apresentam algum efeito sobre a qualidade do presunto curado. Para isso, foram utilizados 40 presuntos obtidos de porcos italianos Duroc × Italian Large White alimentados com três níveis de proteína e níveis de AA essenciais. Foram comparados com os obtidos com uma dieta convencional de Denominação de Origem Protegida de Parma (C).

Não foram observados efeitos físicos (aw, pH), químicos (composição bruta, NaCl, peroxidação lipídica, azoto não proteico, bases voláteis totais) ou características sensoriais dos presuntos que foram sistematicamente afectadas pelas dietas administradas, o sexo ou a sua interacção, com a excepção da gordura total e subcutânea (esta última medida mediante um procedimento de análise de imagem). Considerando as fêmeas, as dietas baixas em proteínas apresentaram amostras um maior conteúdo de gordura e espessura de gordura subcutânea comparando com os presuntos obtidos com a dieta C.

Em conclusão, as dietas baixas em proteína para a fase de finalização do porco pesado podem reduzir o impacto ambiental sem afectar significativamente a qualidade do presunto.

Grassi, S., Casiraghi, E., Benedetti, S., and Alamprese, C. (2017). Effect of low-protein diets in heavy pigs on dry-cured ham quality characteristics. Meat Science, 131, 152-157. https://doi.org/10.1016/j.meatsci.2017.05.015

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags

Nutrimail

Um boletim mensal de notícias sobre a nutrição dos suínos

Não estás inscrito na lista

28-Dez-201730-Nov-201726-Out-201728-Set-2017

faz login e inscreve-te na lista

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui