Leia este artigo em:

Superfície disponível por porco e rendimentos produtivos

Qual o espaço necessário para optimizar os rendimentos produtivos com os actuais pesos de abate?

Artigo comentado

Effects of space allocation on finishing pig growth performance and carcass characteristics L. L. Thomas, R. D. Goodband, J. C. Woodworth, M. D. Tokach, J. M. DeRouchey, and S. S. Dritz. Transl. Anim. Sci. 2017.1:351–357. doi:10.2527/tas2017.0042
Ler o resumo do artigo

Comentário

Existem alguns artigos sobre a densidade na engorda, mas o interessante é que este atende a alguns aspectos importantes: a) mantém a constante de tamanho de grupo (9 animais), enquanto na maioria dos artigos o número de animais é alterado para o mesmo espaço pelo que o resultado é um efeito misto entre espaço e tamanho de grupo, b) os autores asseguram que não há restrições de espaço nos comedouros e bebedouros e c) os estudos foram realizados em condições de termoneutralidade, garantindo boas condições de conforto térmico. Portanto, entende-se que chega a conclusões bastante sólidas.

A densidade de animais é um factor chave na engorda, além de ser um dos critérios mais valorizados pelos consumidores ao associar maior bem estar a maior disponibilidade de espaço. Nos últimos 20 anos, o peso médio do porco para o matadouro nos EUA aumentou (de 116 para 129 kg) sem que as instalações de engordam hajam sido modificadas. Algo semelhante acontece quando, sem modificar o peso ao abate, a produtividade das porcas aumenta (desmamados / porca e ano) e se geram lotes de desmame mais numerosos e consequentemente dá origem a superpopulação ou problemas de aglomeração nos estádios finais da engorda.

Por outro lado, em países quentes como a Espanha, é aconselhável trabalhar com baixas densidades em épocas de calor para evitar episódios de stress por calor. Nessas condições, um porco ocupa mais espaço para descansar para favorecer a libertação de calor por condução. Sendo que um porco permanece mais de 80% do tempo deitado a descansar, garantindo que ele tenha espaço suficiente optimiza seu bem estar. A lei de bem-estar animal da União Europeia exige um espaço mínimo de 0,65 m2 por porco para um peso vivo de 100 kg (equivalente a um valor "K" de 0,030; "superfície" = K * (PV) 0, 67), embora alguns países recomendem valores mais altos.

Experiência

Os autores utilizam 405 porcos agrupados em 36 parques de 9 animais e duas experiências equivalentes a duas bandas de produção. Foram testadas três áreas superficiais diferentes (0,65, 0,74 e 0,84 m2 por porco) são para avaliar o peso vivo máximo compatível com os melhores resultados produtivos e o possível efeito na qualidade da carcaça. O espaço do alimentador era de 7,9 cm / porco, bebedouro de concha, pavimento de grelha e alimento ad libitum.

Resultados

Os resultados não mostram diferenças significativas entre os tratamentos no rendimento da carcaça, na espessura da gordura dorsal ou na profundidade do lombo. Os autores indicam que o principal efeito da restrição espacial é a ingestão de ração seguida de crescimento mas, ao contrário de outros estudos anteriores, a taxa de conversão ou a eficiência alimentar não são necessariamente modificadas. Também indicam que a ingestão de alimentos seria afectada para o peso vivo de 120, 102 e 83 kg para os espaços de 0,84, 0,74 e 0,65 m2 / porco. Esse resultado produz um valor maior de "k" entre 0,0334 e 0,0338. Por outro lado, segundo os autores, não se sabe se um espaço maior que 0,84 poderia melhorar os índices produtivos.

Conclusões e implicações práticas

Em conclusão, o espaço necessário para optimizar o desempenho produtivo de porcos alojados em pequenos grupos e condições termoneutras e abatidos aos 105 kg seria de 0,76 m2 / suíno. Uma área de 0,65 m2 / porco garante apenas um consumo óptimo até aos 83 kg, no melhor dos casos, com todas as outras restrições de produção sob controle. A principal limitação destes resultados é que eles não permitem extrapolar as conclusões para grupos grandes, embora indique que, em geral, é necessário dar mais espaço aos porcos no final da engorda.

Resumo do artigo comentado

Effects of space allocation on finishing pig growth performance and carcass characteristics L. L. Thomas, R. D. Goodband, J. C. Woodworth, M. D. Tokach, J. M. DeRouchey, and S. S. Dritz. Transl. Anim. Sci. 2017.1:351–357. doi:10.2527/tas2017.0042

Antecedentes e métodos: Foram utilizados 405 porcos (PIC 327 × 1,050) em 2 experiências (Exp. 1, peso inicial 66,1 ± 1,8 kg, Exp. 2 peso inicial 60,8 ± 2,5 kg) para avaliar os efeitos da densidade sobre o crescimento e as características da carcaça. Os porcos foram alojados aleatoriamente em parques quando entraram na engorda. Os parques foram balanceados de acordo com o peso inicial e foram distribuídos aleatoriamente por 1 de 3 tratamentos com 7 ou 8 repetições por tratamento (Exp.1 e 2, respectivamente). Havia 9 porcos por parque e as divisões foram ajustadas para fornecer 0,84, 0,74 ou 0,65 m2 por porco. Em cada parque havia um comedouro para alimento seco em um lado com duas bocas de 35,6 cm × 11,4 cm (comprimento x largura) e um bebedouro de concha.

Resultados: Em ambas as experiências, à medida que se reduzia o espaço por porco, o GMD e o consumo diminuiram (linear, P < 0,019) sem evidência de diferenças na conversão. Na Exp. 2, houve evidência marginal de uma melhora linear (P = 0,061) na conversão, reduzindo o espaço disponível entre os dias 42 e 56. O peso final foi de 3,8 e 5,3 kg maior (linear, P ≤ 0,005) nos Exp. 1 e 2, respectivamente, quando comparados os tratamentos de 0,84 comparado a 0,65 m 2 por porco. Usando um valor "k" de 0,0336, o consumo e, consequentemente, o GMD, deveriam ter começado a diminuir quando os porcos alcançassem os 121,2; 101,7 e 83,3 kg a 0,84, 0,74 ou 0,65 m2 por porco, respectivamente. Na Exp. 1, encontramos uma evidência marginal de uma redução do consumo ao reduzir o espaço a partir de um peso médio de 80,3 kg (d 14; linear, P = 0,072). Na Exp. 2, o consumo e, em consequência, o ganho de peso, diminuiram linearmente (P < 0,029) começando a partir de um peso médio de 74 kg, à medida que aumentava a densidade, antes de os porcos alcançarem o valor "k" que deveria ter influenciado no rendimento. Não se sabe se o crescimento foi afectado pelo tratamento 0,84 m2, que foi o de maior espaço. Em geral, estes estudos indicam que a redução do espaço comportou um pior ganho de peso causado por uma redução do consumo. Os dados sugerem que o valor k aceite de 0,0336 poderá subestimar o impacto da restrição de espaço sobre o consumo e o ganho de peso nos porcos de acabamento.

Conclusão: A nossa experiência foi capaz de determinar os efeitos da densidade no rendimento sem afectar o resultado, restringindo o espaço de alimentação por porco. As diferenças no desempenho da experiência, comparadas com as esperadas das revisões bibliográficas, podem ser atribuídas ao tamanho do grupo, comportamento ou outras variáveis fisiológicas. Não sabemos se essas variáveis contribuíram para os efeitos negativos no desempenho ao reduzir o espaço.

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags