Leia este artigo em:

Stress oxidativo em porcos

O que é o stress oxidativo e por que é tão importante? Que relação pode ter com mordidas de cauda, desmame, final da gestação ou alta produção de leite?

Os porcos são expostos a vários tipos de stress durante sua vida. Há o stress dietético, social e ambiental, mas também o metabólico, causado pelo alto desempenho. Alguns estágios são especialmente críticos e podem produzir um estado chamado stress oxidativo.

O que é o stress oxidativo e porque é tão importante?

Normalmente, há um equilíbrio entre os componentes oxidativos conhecidos como espécies reactivas de oxigénio (EOR) e antioxidantes no sistema de defesa contra radicais endógenos. No entanto, mesmo pequenas mudanças no metabolismo energético, ou na resposta imunitária, podem alterar esse delicado equilíbrio. Esta condição, caracterizada por um excesso de radicais livres e / ou protecção insuficiente contra antioxidantes, é definida como stress oxidativo (Dröge, 2002). O stress oxidativo está directamente relacionado à inflamação porque os oxidantes são activadores do factor de transcrição nuclear NF-ĸB, o principal regulador da inflamação (Pantano et al., 2006). NF-ĸB regula proteínas como as citoquinas que estimulam a produção de oxidantes pelos neutrófilos activados, potenciando de novo o stress oxidativo, o que cria um círculo vicioso. Os sintomas do stress oxidativo são diminuição da imunidade, degeneração muscular, perda de apetite, diarreia, dano no fígado e, finamente, morte celular. Tem sido sugerido que o stress oxidativo e a inflamação relacionada podem estar ligados a uma série de patologias suínas, como doença do coração de amora, síndrome do intestino permeável, pneumonia e também o complexo de MMA em porcas. Uma abordagem relativamente recente é o papel do stress oxidativo, inflamação e apoptose relacionada, no desenvolvimento de mordidas secundárias na cauda. O stress oxidativo continuado produzirá dano oxidativo ao DNA. Para garantir a homeostase em todo o organismo, as células danificadas devem ser removidas e isso é feito por morte celular programada (Kannan & Jaine, 2000). Se houver muitas células mortas, o que geralmente acontece na ponta das orelhas e cauda, uma mudança de olfato pode ocorrer e provocar o ataque de outros leitões.

Factores que desencadeiam o stress oxidativo

Na fase de desmame, os leitões geralmente apresentam crescimento reduzido e são mais susceptíveis a doenças, fenómeno conhecido como síndrome do stress pós-desmame.(Campbell et al., 2013). Durante este periodo, o stress social e ambiental produz-se ao separar os leitões das suas mães e mudá-los de parque, o que se soma ao stress alimentar de substituir o leite da porca, de fácil digestão, por um alimento sólido de base principalmente vegetal. O stress alimentar é geralmente causado por alimentos de baixa qualidade. Como seu sistema digestivo ainda é imaturo, eles precisam de um alimento muito digestível. A proteína não digestível atinge o intestino grosso, tornando-o disponível para bactérias patogénicas, causando inflamação e stress oxidativo
(Amarakoon, 2017). As fontes de gordura oxidada, as micotoxinas e vários factores antinutricionais (FAN) da soja, a principal fonte vegetal de proteína da ração dos leitões, podem induzir um stress oxidativo adicional, seja directa ou indirectamente, provocando inflamação no intestino. Quando as fontes de proteína de soja são escolhidas, os inibidores de tripsina e oligossacarídeos são geralmente levados em conta, mas o antigénio de beta-conglicinina não é levado em consideração, embora tenha sido demonstrado que induz stress oxidativo e processos inflamatórios como parte do processo da resposta imunitária ao antigénio (Chen et al., 2011; Xu et al., 2010).

Outra situação de stress oxidativo ocorre no final da gestação e quando há alta produção de leite. A mudança do metabolismo anabólico para catabólico é um grande esforço para o animal. Semelhante ao que foi observado em vacas leiteiras, há um grande aumento no uso de energia no início da síntese do leite, especialmente porque o número de leitões aumentou e é necessário mais leite. A síntese do leite envolve várias reacções metabólicas e durante esse processo os reagentes EOR são formados nas mitocôndrias como subprodutos da reacção em cadeia do transporte de electrões (Sordillo & Aitken, 2009). Tem sido demonstrado que o stress oxidativo e o dano oxidativo ao DNA aumentam dramaticamente durante o final da gestação e da lactação em porcas (Berchieri-Ronchi et al., 2011).

Medidas para reduzir o stress oxidativo em porcos

Quando se trata de tomar medidas para reduzir o stress oxidativo, o foco deve ser reduzir o stress alimentar. É essencial fornecer uma ração de alta qualidade, baixa em factores antinutricionais (FANs), micotoxinas e ácidos gordos oxidados. Descobertas recentes mostraram que leitões alimentados com uma dieta inicial com fonte de proteína de soja altamente digestível, com poucos FANs, especialmente com baixo teor de beta-conglicinina, apresentaram menor stress oxidativo e melhor estado inflamatório em comparação com suínos alimentados com outras fontes de soja (Ma et al., 2018, Bayer et al, 2019). Isso foi evidenciado pela detecção de concentrações plasmáticas mais altas de glutatião peroxidase (GPX), superóxido dismutase (SOD) e vitamina E, todos componentes do sistema de defesa contra radicais endógenos.

Gráfico 1: A alimentação com soja tratada enzimaticamente com um conteúdo baixo em antigénio de soja originou maiores concentrações plasmáticas de enzimas antioxidantes e uma redução do malonil dialdeído (MDA), um marcador do dano oxidativo, no dia 14 após o desmame em comparação com um bagaço de soja com um elevado nível de antigénio (Ma et al., 2018)
Gráfico 1: A alimentação com soja tratada enzimaticamente com um conteúdo baixo em antigénio de soja originou maiores concentrações plasmáticas de enzimas antioxidantes e uma redução do malonil dialdeído (MDA), um marcador do dano oxidativo, no dia 14 após o desmame em comparação com um bagaço de soja com um elevado nível de antigénio (Ma et al., 2018)

Nos casos em que o stress oxidativo não está relacionado ao stress alimentar, mas sim com o alto rendimento e / ou factores de stress ambientais ou sociais que não podem ser alterados, uma solução pode ser a inclusão de certos aditivos na alimentação. Os níveis de vitamina E são frequentemente aumentados para combater o stress oxidativo. Vários polifenóis, como o resveratrol, as catequinas, a quercetina ou a curcumina, também são possíveis candidatos para reduzir o stress oxidativo (Landete, 2013, Menon & Sudheer, 2007). No entanto, embora existam estudos que mostram que os polifenóis produzem um melhor estado oxidativo em animais de produção (Zhou et al., 2016; Männer et al, 2017), o bloqueio directo de NF-ĸB também é analisado para uma regulação negativa de genes inflamatórios (Gessner et al., 2013).

No entanto, independentemente da forma escolhida, a redução do stress oxidativo e inflamação relacionada não apenas conduzirá a animais mais saudáveis e maior bem-estar, mas também melhorará o seu rendimento. O sistema imunológico será menos desafiado, portanto, haverá mais proteína e energia disponíveis para promover o crescimento de leitões (Klasing, 2004).

Comentários ao artigo

Este espaço não é uma zona de consultas aos autores dos artigos mas sim um local de discussão aberto a todos os utilizadores de 3tres3
Insere um novo comentário

Para fazeres comentários tens que ser utilizador registado da 3tres3 e fazer login

Ainda não és utilizador registado de 333?regista-tee acede a preços dos porcos, pesquisador, ...
É gratuito e rápido
Já estás registado na 333?LOGINSe esqueceste a tua password nós enviamos novamente aqui

tags